Derivado de brócolos protege contra a radiação

Estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”

17 outubro 2013
  |  Partilhar:

Um dos compostos derivados dos vegetais crucíferos, nomeadamente repolho, couve-flor e brócolos, pode proteger os tecidos saudáveis dos efeitos da radiação presente nos tratamentos do cancro com radioterapia e impedir ou atenuar a doença causada pela exposição à radiação, sugere um estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”.
 

Estudos anteriores já tinham revelado que o composto conhecido por DIM (3,3'-diindolilmetano) tinha propriedades preventivas contra o cancro. “O DIM tem vindo a ser estudado como um agente de prevenção do cancro desde há vários anos, mas esta é a primeira indicação que este também pode ser utilizado como protetor da radiação”, referiu, em comunicado de imprensa, o autor principal do estudo, Eliot Rosen.
 

 

Para o estudo, os investigadores do Centro Médico da Universidade de Georgetown, nos EUA, irradiaram ratinhos com doses letais de radiação gama. Posteriormente, os animais foram tratados diariamente com uma injeção de DIM ao longo de duas semanas, começando 10 minutos após a exposição à radiação.

Os investigadores ficaram bastante surpreendidos com os resultados, uma vez que todos os ratinhos que não tinham sido tratados morreram, mas mais de metade daqueles que receberam DIM permaneceram vivos 30 dias após a exposição à radiação.
 

O estudo também apurou que o DIM conferia proteção mesmo que a injeção fosse administrada 24 horas antes ou após a exposição à radiação. “Demonstrámos que o DIM protege a sobrevivência dos ratinhos irradiados letalmente”, referiu o investigador.
 

Os autores do estudo verificaram ainda que os animais tratados com o composto apresentavam uma menor redução de eritrócitos, leucócitos e plaquetas, efeitos muitas vezes observados nos pacientes submetidos aos tratamentos de radiação contra o cancro.
 

“O DIM poderá proteger os tecidos saudáveis dos pacientes submetidos à radioterapia, mas também poderá proteger as pessoas das consequências letais de um desastre nuclear, conclui Eliot Rosen.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.