Depressão: nova alternativa de tratamento?

Estudo publicado na revista “Molecular Psychiatry”

28 abril 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos identificaram o mecanismo através do qual a hormona grelina, que tem propriedades antidepressivas, atua no cérebro. O estudo publicado na revista “Molecular Psychiatry” também dá conta de um novo e potencial tratamento contra a depressão.
 

A grelina, uma hormona produzida no estômago e intestinos, tem várias funções associadas, incluindo a estimulação do apetite. Em 2008, os investigadores do UT Southwestern Medical Center, nos EUA, já tinham descoberto que esta hormona apresentava efeitos antidepressivos que se manifestavam quando os seus níveis aumentavam como resultado da restrição calórica ou stress psicológico prolongado.
 

Neste estudo a mesma equipa de investigadores, liderada por Jeffrey Zigman, identificou a capacidade da grelina estimular a formação de novos neurónios, neurogénese, em modelos animais. O estudo também constatou que o processo regenerativo no hipocampo, uma zona do cérebro que regula o humor, memória e comportamentos alimentares complexos, é importante para a limitação da intensidade da depressão após exposição prolongada ao stress.
 

Posteriormente os investigadores analisaram se o aumento do efeito da grelina na neurogénese, conseguido através da utilização de um composto neuroprotetor (P7C3), poderia aumentar ainda mais os seus efeitos antidepressivos.
 

Estudos anteriores já tinham demonstrado que o P7C3 tinha capacidades neuroprotetoras, nomeadamente na doença de Parkinson, na esclerose lateral amiotrófica e nos danos cerebrais traumáticos. Agora neste estudo os investigadores constataram que esta molécula exerce um potente efeito antidepressivo através da promoção da neurogénese. Os investigadores estão particularmente entusiasmados com estes resultados, uma vez que um análogo do P7C3 já tinha mostrado conseguir aumentar mais a neurogénese do que muitos dos antidepressivos atualmente utilizados.
 

Com base nestes achados, os investigadores acreditam que os indivíduos com depressão associada ao stress crónico, com níveis alterados de grelina ou mesmo resistência à grelina, podem ser particularmente sensíveis ao tratamento com fármacos altamente neuroprotetores, como é o caso do P7C3.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 2Média: 1.5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.