Depressão afecta 121 milhões de pessoas em todo o mundo

World Health Organization World Mental Health (WMH)

27 julho 2011
  |  Partilhar:

A depressão pode afectar a capacidade de trabalho, de iniciar relacionamentos e destruir a qualidade de vida. Depressões mais graves podem levar ao suicídio e são responsáveis por 850 000 mortes todos os anos.

 

Num novo estudo publicado no jornal BMC Medicine, da BioMed Central, da iniciativa da World Health Organization - World Mental Health (WMH), investigadores de 20 Centros colaboraram na investigação da prevalência da depressão em todo o mundo, comparando as condições sociais com a depressão em 18 países.

 

Baseados em entrevistas detalhadas a mais de 89 000 pessoas, os resultados mostram que cerca de 15% da população dos países ricos (comparada com 11% da população de países com rendimento médio/baixo) pode vir a desenvolver uma depressão durante o período de vida, e que 5.5% tinham tido uma depressão no ano anterior. Pessoas com episódios graves de depressão (que apresentam tristeza, perda de interesse e prazer, sentimentos de culpa e falta de auto-estima, perda de apetite ou dificuldade em dormir, falta de energia e concentração) são elevadas nos países ricos (28%), especialmente em França, na Holanda e nos EUA.

 

Alguns aspectos da doença parecem ser comuns entre as culturas – as mulheres têm mais tendência para sofrer uma depressão que os homens, e a perda do companheiro, morte, divórcio e separação, são os factores que mais contribuem.

 

A Professora Evelyn Bromet da State University of New York at Stony Brook, nos EUA,  explica que "Este é o primeiro estudo a usar um método estandardizado para comparar depressão e episódios graves de depressão em diferentes países e culturas.”.

 

“O estudo mostrou que a depressão é um problema de saúde pública significativo e deve ser uma preocupação em todo o mundo. Perceber os padrões que causam depressão, como as condições sociais, pode ajudar em iniciativas globais para reduzir o impacto desta doença em indivíduos e na sociedade.”, afirma Evelyn Bromet.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.