Dentes de leite podem revelar se crianças são fumadoras passivas

Novo teste identifica substâncias

10 julho 2003
  |  Partilhar:

Os dentes de leite podem revelar a quantidade de nicotina a que as crianças estão expostas num período de sete anos, segundo um estudo espanhol publicado na última edição do Journal of the American Medical Association.
 

«Comprovámos que podemos obter sete anos de história através da parte de dentro de um dente», afirmou Oscar Garcia, um dos principais autores do estudo e pediatra do Hospital do Mar em Barcelona.
 

 

O estudo foi realizado com a observação de 35 crianças com uma média de idades de 7,4 anos, provenientes de uma escola pública de Roma, em Itália. Os seus pais responderam a um questionário no qual foi avaliado o seu consumo de tabaco diário, apesar de alguns dos progenitores não fumarem. A presença de outros fumadores no meio ambiente das crianças também foi tida em conta.
 

 

Cada criança deu um dente de leite incisivo superior, que tinha caído meses antes. Estas peças dentárias foram lavadas para que fosse eliminada qualquer tipo de contaminação externa que podia gerar confusão na análise.
 

Posteriormente, para avaliar a quantidade de nicotina, submeteu-se os dentes a uma cromatografia de gases com a qual foram analisadas as substâncias presentes.
 

 

Os dentes dos pequenos cujos pais fumam apresentaram maior quantidade de nicotina, e os valores mais altos foram registados nas crianças que têm pais que fumam vários cigarros por dia.
 

 

«Apesar desta prova ainda não ter utilidade clínica, pode servir de imediato para estudar outros tóxicos presentes nos dentes e pode ser de grande interesse para os estudos epidemiológicos», comentou Oscar Garcia.
 

 

Fonte: Diário Digital
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.