Deficiência na tiróide pode afectar visão das cores

Estudo conjunto de universidades alemãs e austríacas

10 maio 2011
  |  Partilhar:

Um nível deficiente da hormona da tiróide pode afectar a visão das cores em adultos, de acordo com uma pesquisa conjunta do Instituto Max Planck para a Pesquisa do Cérebro,da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, e da universidade de Viena, Áustria, que demonstraram esse fenómeno em ratinhos.

 

A hormona tiroideia desempenha um papel fundamental no desenvolvimento do organismo, especificamente, no sistema nervoso.  Vários estudos feitos com ratinhos demonstraram que esta hormona também desempenha um papel importante no desenvolvimento do olho e, em especial, nas células do cone visual, responsáveis pela visão das cores.

 

A maioria dos mamíferos tem dois tipos de cones com diferentes sensibilidades espectrais, que contêm um de dois pigmentos visuais (opsinas): opsinas sensíveis à luz de onda curta (luz azul) ou opsinas de luz de onda média ou larga (luz verde). Até agora, os cientistas acreditavam que o controlo  da produção de opsinas pela hormona tiroideia era um fenómeno de desenvolvimento. Assim, os especialistas assumiam que nos cones maduros, o programa de produção de opsinas era fixo e não precisava ser regulado.

 

A equipa, liderada por Martin e Glösmann e Anika Glaschke, do Instituto Max Planck, questionou essa visão, tendo demonstrado em ratinhos que a produção de opsinas em cones maduros continua a depender da hormona da tiróide. Os autores do estudo acreditam que esse mecanismo existe em todos os mamíferos, incluindo os humanos.

 

Para chegar a esta conclusão analisaram cones de ratinhos adultos com hipotireoidismo durante várias semanas. Nestes roedores, todos os cones produziram opsinas azuis, tendo reduzido a produção de opsinas verdes.

 

Após completarem o tratamento, os níveis hormonais voltaram ao normal e os cones reverteram a sua produção para o tipo de opsinas “normal”: um tipo de cone produzia opsina verde e o outro azul. Assim, concluíram que os cones, cujo tipo é definido pela classe de opsina que produzem, são controlados de uma forma dinâmica e reversível pela hormona tirodeia durante a vida.

 

Segundo Glösmann, em comunicado, “se este mecanismo também funcionar nos cones humanos, o aparecimento de uma deficiência da hormona tiroideia em adultos - por exemplo, como resultado de uma deficiência de iodo na dieta ou pela remoção da tiróide - pode afectar as opsinas dos cones e visão a cores. "

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.