DECO denuncia falta de controlo e fiscalização das águas residuais
05 julho 2001
  |  Partilhar:

As estações de tratamento de águas residuais (ETAR) existentes em Portugal funcionam mal, são pouco fiscalizadas e as instituições responsáveis não controlam o processo de funcionamento, revela um estudo divulgado hoje na revista Deco/Proteste.
 

 

 

Lamas depositadas nas lixeiras, descargas de águas residuais para zonas balneares ou para o mar são algumas das muitas irregularidades detectadas pela Inspecção-Geral do Ambiente durante o ano passado, somente a 89 das mais de 600 estações de tratamento existentes em Portugal.
 

 

 

Segundo a DECO, outro problema que pode comprometer a qualidade das águas residuais é a descoordenação das entidades com competência no processo de funcionamento das ETAR, nomeadamente autarquias e Direcções Regionais do Ambiente.
 

 

 

As ETAR são infra-estruturas que permitem decompor, de forma natural, os resíduos orgânicos que poluem os cursos de água.
 

 

Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.