DECO considera que os seguros de saúde não são alternativa ao serviço nacional
08 outubro 2001
  |  Partilhar:

Os seguros de saúde evidenciam problemas relacionados com a duração anual dos contratos e demasiadas situações excluídas das coberturas não sendo ainda verdadeiras alternativas ao serviço nacional de saúde, conclui um estudo da Defesa do Consumidor (DECO).
 

 

Além da duração dos contratos e das «longas listas de exclusões» o estudo, revelado ontem pela revista Dinheiros e Direitos, considera «lesivos» para os consumidores os períodos de carência dos contratos de seguros de saúde.
 

 

Quanto à duração dos contratos, a revista da DECO salienta que o seu carácter anual deixa à seguradora a possibilidade de recusar a renovação em qualquer momento, facto particularmente grave para clientes que contraem uma doença prolongada.
 

 

O estudo defende que os contratos deveriam tornar-se vitalícios, como acontece em França, ao cabo de três ou quatro anos, período para avaliar o risco do segurado.
 

 

Lusa
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.