DECO acusa médicos de prescreverem antibióticos sem necessidade

Ordem Médicos recusa acusação

23 março 2007
  |  Partilhar:

 

A associação para a defesa do consumidor DECO acusou os médicos de prescreverem antibióticos sem necessidade e as farmácias de os venderem sem prescrição. O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Pedro Nunes, recusou qualquer acusação de incompetência dos Médicos de Família.
 

A conclusão do estudo da DECO vem publicada na edição de Abril da Teste Saúde e é baseado em visitas de colaboradores da associação a várias clínicas, centros de saúde e farmácias.
 

 

Foram visitados 58 consultórios privados e nove centros de saúde, onde os colaboradores se queixaram de dores de garganta e um ligeiro incómodo ao engolir, apesar de estarem saudáveis.
 

Em 37 casos, diz a DECO, os profissionais prescreveram antibióticos desnecessariamente: Seis desses médicos sublinharam que o medicamento só devia ser aviado se o problema se agravasse, mas a maioria prescreveu espontaneamente os medicamentos.
 

 

Face a estes números, Pedro Nunes "não aceita que se ponha em causa a qualidade" de médicos que "sabem o que fazem", ressalvando, porém, que as condições de organização obrigam ao exercício de uma "medicina mais defensiva".
 

 

"Os médicos recorrem frequentemente a medicamentos de espectro mais largo, para combater o maior número possível de bactérias, porque não conseguem acompanhar todos os dias os pacientes e têm medo que uma terapêutica menos agressiva falhe", salientou.
 

 

Em 90 farmácias, a Teste Saúde registou oito estabelecimentos que venderam os antibióticos sem receita médica.
 

 

Fontes: DECO e Lusa
 

MNI-Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.