Dádiva de órgãos em vida dependente de parecer vinculativo

Decisão escrita em despacho governamental

23 novembro 2007
  |  Partilhar:

Oito hospitais portugueses ficam autorizados a fazer a colheita em vida de órgãos para transplantes, que estará sempre dependente de um parecer vinculativo e escrito de uma entidade independente, segundo um despacho governamental.
 

 

Um despacho assinado a 9 de Novembro pelo ministro da Saúde, que já seguiu para publicação em Diário da República e a que a Lusa teve acesso, consagra que a dádiva e a colheita de órgãos em vida ficam dependente de um parecer vinculativo e escrito da Entidade de Verificação da Admissibilidade da Colheita para Transplante (EVA).
 

 

Segundo o despacho, esta entidade é criada em oito hospitais portugueses onde se poderá realizar a colheita em dadores vivos: Garcia de Orta (Almada), Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Hospital de Santa Maria (Lisboa), Hospital de Santo António e de São João (no Porto), Hospitais da Universidade de Coimbra, Curry Cabral e Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa (Lisboa). Estes são os hospitais que já actualmente fazem Transplantes Renais.
 

 

Fonte: Lusa
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.