Curso ensina profissionais a utilizar testes genéticos

Organizado pelo Serviço de Genética Médica do Centro Hospitalar de Coimbra

18 outubro 2009
  |  Partilhar:

Novo curso de genética médica pretende ensinar os profissionais de saúde a utilizar correctamente mais de um milhar de testes genéticos existentes.

 

O curso "Genética médica: conceitos elementares e aplicações frequentes", que vai decorrer em Março em Coimbra, vai ser organizado pelo Serviço de Genética Médica do Centro Hospitalar de Coimbra (CHC, EPE) e pretende "combater a desinformação e actualizar os conhecimentos de médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais" na área do diagnóstico e do aconselhamento genéticos, explicou à Lusa o director deste serviço, Jorge Saraiva.

 

Neste curso irão ser abordadas questões como: Quando pedir um teste genético? Como pedir um teste genético de diagnóstico ou de farmacogenética? Como interpretar um resultado de um teste genético? Como orientar um doente com doença genética confirmada e respectivos familiares para o obrigatório aconselhamento genético? Qual a regulamentação específica dos testes genéticos de diagnóstico?

 

Jorge Saraiva explicou que "há mais de um milhar de testes genéticos, a maior parte para situações relativamente raras. Abrangem quase todas as áreas da Medicina: a disponibilidade de testes genéticos está a aumentar exponencialmente, mas nem sempre os profissionais de saúde sabem como utilizá-los correctamente".

 

De acordo com dados recentes, anualmente quase três mil pessoas são referenciadas ao Serviço de Genética Médica do CHC, EPE.

 

"Em aproximadamente um terço, o motivo de consulta é avaliação diagnóstica, noutro terço o aconselhamento genético de familiares e noutros tantos o aconselhamento genético em contexto de diagnóstico pré-natal", referiu o professor catedrático.

 

Os testes genéticos mais utilizados são os de diagnóstico pré-natal, mas os relacionados com determinadas patologias, nomeadamente a distrofia miotónica, a "doença dos pezinhos", a síndrome do X-frágil e cancros hereditários, são também muito utilizados, esclareceu Jorge Saraiva.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.