Cuidados na praia

Como agir se for picado por alforrecas

15 agosto 2002
  |  Partilhar:

Pelo sim pelo não, se este Verão vir uma alforreca no mar ao seu lado o melhor é fugir. Estas criaturinhas ondulantes e gelatinosas, de aspecto inofensivo, podem estragar-lhe o dia de praia.
 

 

As alforrecas são carnívoras e podem escolhe-lo a si em vez da tradicional ementa de crustáceos, camares ou pequenos peixes. O mais importante no caso de ser picado é não entrar em pânico, principalmente se estiver fora de país pois isso facilita o afogamento.
 

 

Quando se atingido pelos vários pares de tentáculos da medusa a primeira sensação é dor e comichão. O veneno libertado pelas alforrecas para paralisar a presa pode tambm provocar inchaço e cibras musculares. Das alforrecas da costa portuguesa, poucas são urticantes.
 

 

Na costa Norte é preciso ter cuidado com a "Pelagia noctilua". Esta alforreca com 12 a 15 centímetros de comprimento emite uma luminescência quando perturbada. Ao sinal luminoso segue-se um ataque por tentáculos venenosos, capazes de atingir a presa com rapidez.
 

 

Mais a Sul, os banhistas podem ficar a conhecer um imponente cogumelo de um azul esbranquiado ou amarelado que chega a atingir 90 centímetros de diâmetro, a "Rhizostoma pulmo". Apesar do tamanho, esta alforreca considerada inofensiva e os tentáculos provocam apenas alguma comichão.
 

 

O mau bocado provocado pelo ataque destas alforrecas pode ser aliviado com algumas regras de tratamento. A básica é nunca friccionar a zona atingida, pois o gesto faz penetrar o veneno mais profundamente. O melhor é lavar abundantemente a ferida com água e retirar da pele os tentáculos que tenham ficado agarrados. A aplicação de uma pomada anti-inflamatria é geralmente suficiente no caso de uma picada ligeira.
 

 

Casos muito graves, pedem tratamentos mais extremos. Há quem sugira que se queime a ferida com um isqueiro ou a ponta de um cigarro para coagular o veneno. Igualmente pouco agradável, mas certamente preferível à queimadela, é aplicar um pano embebido em urina para inactivar o veneno.
 

 

Fonte:Público

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.