Crianças são mais vulneráveis a efeitos negativos das alterações climáticas na saúde

Relatório divulgado no congresso anual da American Academy of Pediatrics

08 novembro 2007
  |  Partilhar:

 

As crianças são mais vulneráveis aos efeitos negativos das alterações climáticas na saúde, conclui um estudo divulgado durante o congresso anual da American Academy of Pediatrics.
 

 

O risco de morte associado a catástrofes naturais e fenómenos meteorológicos de grande dimensão, a maior incidência de Doenças Infecciosas ligadas ao clima (como a Malária), de doenças relacionadas com a poluição do ar e com o calor, da Asma e outras Doenças Respiratórias, e a morte por exposição a temperaturas elevadas são exemplos de consequências das alterações climáticas para as crianças citados pelo relatório.
 

 

Para o sub-director geral de saúde para a Saúde Ambiental, José Robalo, o relatório, apesar de não revelar nada de novo, “é um alerta aos Pediatras para deixar claro que as crianças são particularmente vulneráveis às alterações climáticas e que os nossos comportamentos podem reflectir-se na sua saúde, apelando desta forma aos adultos para que tenham em uma conduta que diminua os riscos para as crianças".
 

 

Fontes: Lusa e Imprensa Internacional
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.