Crianças que dormem mais consomem menos calorias

Estudo publicado na revista “Pediatrics”

06 novembro 2013
  |  Partilhar:

As crianças que dormem mais, ingerem menos calorias e ganham menos de peso. Estes resultados publicados na revista “Pediatrics” reforçam a associação entre o risco de desenvolvimento de obesidade e falta de sono.
 

Este estudo, conduzido pelos investigadores do Center for Obesity Research and Education, da Universidade de Filadelfia, nos EUA, foi o primeiro a analisar o efeito do sono nos comportamentos alimentares das crianças através da manipulação do tempo de sono das mesmas.
 

Para o estudo os investigadores contaram com a participação de 37 crianças, com idades compreendidas entre os oito e os 11 anos, 27% das quais tinham excesso de peso ou eram obesas.
 

Ao longo da primeira semana de estudo, as crianças foram convidadas a dormir de acordo com os seus padrões sono habituais. Ao longo da segunda semana as crianças reduziram ou aumentaram o seu período de sono. Na terceira e última semana de estudo, as crianças que tinham reduzido o tempo de sono na segunda semana aumentaram-no, enquanto as crianças que tinham aumentado o tempo, o reduziram.
 

Ao longo do estudo, as crianças foram pesadas e questionadas quanto aos alimentos que tinham ingerido. Foram também medidos, em jejum, os níveis da leptina, uma hormona que regula a fome e que está intimamente associada à gordura corporal.
 

O estudo apurou que, comparativamente com a semana em que as crianças dormiram menos, quando dormiram mais consumiam, em média, menos 134 calorias por dia, pesavam menos 200 gramas e tinham níveis mais baixos de leptina.
 

De acordo com a primeira autora do estudo, Chantelle Hart, estes resultados sugerem que o aumento do número de horas sono das crianças em idade escolar poderá ter importantes implicações na prevenção e tratamento da obesidade. Assim, os investigadores acreditam que o papel do sono deveria ser futuramente explorado.
 

Atualmente os investigadores estão a planear mais estudos, de forma a averiguar se o aumento do número de horas poderá conduzir a alterações significativas ao nível da alimentação, atividade e peso das crianças.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.