Crianças que comem muito fora das refeições correm risco de obesidade

Estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto

02 maio 2019
  |  Partilhar:
As crianças que ingerem mais alimentos durante a tarde e depois do jantar correm o risco de se tornarem mais facilmente obesas ou de terem excesso de peso, indica um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.
 
O estudo avaliou os hábitos alimentares de 1.961 crianças da coorte Geração XXI (projeto iniciado em 2005 que acompanha o crescimento e desenvolvimento de mais de oito mil crianças da cidade do Porto) entre a idade pré-escolar, aos 4 anos, e a idade escolar, aos 7.
 
Em entrevista à agência Lusa, Sofia Vilela, investigadora responsável pelo estudo, explicou que foi através da avaliação dos padrões de consumo energéticos (hidratos de carbono e proteínas) das crianças aos 4 anos, que a equipa de investigadores conseguiu padronizar “o desenvolvimento do excesso de peso ou obesidade” aos 7 anos.
 
Com o objetivo de “alertar” para determinados comportamentos alimentares e não “quantificar” os padrões seguidos pelas crianças, o estudo permitiu “ver a ligação entre dois comportamentos alimentares e o excesso de peso ou obesidade”.
 
“As crianças que têm um padrão alimentar caracterizado por saltarem o pequeno-almoço, terem o almoço mais tarde e comerem depois do jantar, estão em maior risco de desenvolverem excesso de peso ou obesidade”, frisou.
 
Segundo Sofia Vilela, para que o peso das crianças seja “saudável” é necessária “uma maior distribuição energética” ao pequeno-almoço, almoço e jantar e uma “menor ingestão” de alimentos a meio da manhã e a meio da tarde.
 
“Começar o dia com um pequeno-almoço equilibrado parece ser uma boa estratégia para conseguir um bom nível de saciedade ao longo do dia e controlar a ingestão alimentar. É fundamental ter um padrão regular e não saltar refeições. Tendo em conta os resultados deste estudo e de outros prévios, a ceia poderá ser uma refeição dispensável nestas crianças”, apontou.
 
À Lusa, a investigadora adiantou que, apesar do contributo do estudo para a compreensão do ritmo circadiano no consumo alimentar e desenvolvimento de excesso de peso em crianças, é necessário “replicar os resultados noutras faixas etárias e noutras populações”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar