Crianças: porque são mais suscetíveis às infeções?

Estudo publicado no “Journal of Leukocyte Biology”

06 julho 2016
  |  Partilhar:

As crianças, para além de serem mais propensas a infeções virais, têm mais dificuldades em eliminá-las, comparativamente com os adultos, atesta um estudo publicado no “Journal of Leukocyte Biology”.
 

Os investigadores da Universidade Estatal de Iowa, nos EUA, decidiram analisar como os linfócitos T CD4, células imunitárias envolvidas no combate às doenças virais, respondiam à infeção pelo vírus da gripe. Verificou-se que o sistema imunitário das crianças pode não ser capaz de produzir uma quantidade suficiente de anticorpos de forma a eliminar o vírus da gripe tão rapidamente quanto os adultos.
 

“A nossa esperança é que com um conhecimento mais aprofundado das diferenças-chaves das respostas imunológicas nas crianças possamos ser capazes de desenvolver formas mais eficazes de ativar a imunidade contra agentes patogénicos comuns que as afetam”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, David E. Verhoeven.
 

Para o estudo, os investigadores utilizaram dois grupos de ratinhos para criar um modelo dos efeitos da infeção do vírus da gripe nas crianças e nos adultos. Um dos grupos dos animais tinha 21 dias e o outro tinha entre oito a dez semanas. Os dois grupos foram infetados com o vírus da gripe da estirpe H1N, tendo sido comparadas as respostas imunitárias à infeção.
 

Os investigadores constataram que os linfócitos TCD4 dos ratinhos mais jovens produziam uma citoquina antiviral-chave, o interferão gama, em níveis significativamente mais baixos que os linfócitos TCD4 dos ratinhos mais velhos. Estes níveis mais baixos de interferão gama conduziram a taxas de morte mais elevadas dos linfócitos TCD4 durante a infeção. Uma vez que os linfócitos TCD4 estão envolvidos na produção de anticorpos, os ratinhos mais novos foram incapazes de montar uma resposta imunitária suficientemente forte para eliminar rapidamente o vírus dos pulmões.
 

John Wherry, o editor do “Journal of Leukocyte Biology”, referiu que as crianças trazem para casa todo o tipo de microrganismos e que estas podem ser, de facto, uma importante fonte de disseminação epidemiológica de algumas infeções.
 

“Estes novos dados são relevantes pois começam a apontar mecanismos imunitários importantes que funcionam de uma forma diferente em idades jovens e que podem permitir atrasos na eliminação dos vírus, o que pode aumentar a capacidade de transmissão dessas infeções para novos hospedeiros”, concluiu.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.