Criança com VIH em remissão há 9 anos sem TARV

Estudo apresentado na IX Conferência da IAS Sobre as Ciências do VIH

31 julho 2017
  |  Partilhar:
Uma criança com VIH mantém a remissão do vírus desde 2008, sem estar a receber tratamento antirretroviral (TARV).
 
O caso foi identificado no âmbito do ensaio clínico Crianças com Tratamento Antirretroviral Precoce para o VIH (CHER, nas suas iniciais em inglês), conduzido por Avy Violari, da Universidade de Witwaterstrand e Mark Cotton da Universidade de Stellenbosch, África do Sul.
 
“Pelo que sabemos, este é o primeiro caso reportado de controlo sustentado do VIH numa criança recrutada para um ensaio clínico aleatório de TARV [tratamento antirretroviral] interrompido após um tratamento numa fase precoce quando bebé”, comentou Avy Violari.
 
A criança sul-africana foi diagnosticada com VIH-1 aos 32 dias de vida em 2007, tendo sido recrutada para o ensaio clínico CHER.
 
Os participantes no ensaio clínico, crianças infetadas com VIH-1, foram divididas aleatoriamente em três grupos, para receberem um tratamento entre três abordagens diferentes: TARV adiado para uma fase posterior, ou TARV precoce durante 40 ou 96 semanas. 
 
A criança do caso em questão recebeu TARV precoce durante um período de 40 semanas. Nove semanas mais tarde, o vírus na criança encontrava-se com níveis de impossível deteção. Nos anos seguintes a criança manteve-se saudável. 
 
Aos nove anos e meio de idade, a criança foi submetida a exames para avaliar a presença do VIH-1 e a sua saúde imunitária. Foi apenas detetado um reservatório viral que se tinha integrado numa minúscula proporção de células imunes. A criança apresentava um nível saudável de células imunitárias, sem sintomas de infeção por VIH-1.
 
Os investigadores confirmaram que a criança não possui características genéticas antes associadas com o controlo espontâneo do VIH-1 em adultos, o que parece sugerir que as 40 semanas de TARV, quando a criança era bebé, poderão estar na origem da remissão do vírus neste caso.
 
Serão necessários mais estudos para perceber como induzir a remissão de longa duração do VIH em bebés infetados.
 
Os especialistas consideram que com este caso, talvez seja possível tratar as crianças infetadas com VIH por um breve período de tempo quando são ainda bebés e impedir que tenham que ser submetidas a tratamentos durante toda a vida, os quais podem trazer consequências negativas para a saúde. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.