Corante azul impede progressão de lesão da espinal medula

Estudo publicado no "Proceedings of the National Academy of Sciences"

31 julho 2009
  |  Partilhar:

Um corante que confere a cor azul aos alimentos e bebidas conseguiu interromper o processo de lesão da espinal medula em ratos, revela um estudo publicado no “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

 

As mudanças moleculares que ocorrem nas horas posteriores a uma lesão da espinal medula conduzem a problemas graves, tais como paralisia permanente. Isto ocorre porque o ATP, ou adenosina trifosfato, se liga a um receptor, o P2X7, e, desta interacção, é produzido ATP em excesso que origina a morte dos neurónios saudáveis e, subsequentemente, o agravamento da lesão.

 

O que os cientistas da University of Rochester, em Nova Iorque, EUA, descobriram é que esse processo pode ser interrompido ou minimizado com o uso do corante conhecido como “Azul Brilhante G” (Brilliant Blue G) ou, simplesmente, “BBG”.

 

De acordo com o estudo, o BBG actua contra o P2X7 evitando essa ligação nociva, e tem a vantagem de poder ser administrado por injecção endovenosa, longe do ferimento.

 

O tratamento apresenta, contudo, pelo menos um efeito secundário: os ratos do estudo ficaram temporariamente azuis.

 

Este novo estudo pode ser promissor para o desenvolvimento de novas formas terapêuticas, protegendo os neurónios saudáveis e evitando os danos secundários que acontecem nas horas que se sucedem à ocorrência de uma lesão na coluna vertebral.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.