Consumo de fruta na gravidez melhora desenvolvimento dos bebés

Estudo publicado na revista “EbioMedicine”

31 maio 2016
  |  Partilhar:

O consumo de fruta, conhecido por reduzir o risco de uma vasta gama de condições de saúde, como doenças cardíacas e acidente vascular cerebral, pode começar a ter benefícios ainda no útero, sugere um estudo publicado na revista “EbioMedicine”.
 

Os investigadores da Universidade de Alberta, no Canadá, constataram que as mães que comiam mais fruta durante a gravidez tinham filhos com um melhor desempenho num teste de desenvolvimento, ao um ano de idade.
 

Para o estudo, os investigadores, liderados por Piush Mandhane, analisaram os dados de 688 crianças, tendo controlado os fatores que habitualmente afetam a aprendizagem e o desenvolvimento, incluindo orçamento familiar, escolaridade paterna e materna, e a idade gestacional da criança.
 

Os investigadores utilizaram a escala do quociente de inteligência (QI). Em média, as pessoas têm um QI de 100, mas cerca de dois terços da população tem um QI entre 85 e 115. O estudo apurou que se as mães consumissem, em média, seis ou sete porções de fruta ou sumo de fruta por dia ao longo da gravidez, os filhos tinham mais seis ou sete pontos na escala de QI ao um ano de idade.
 

“Sabemos que quanto mais tempo uma criança está no útero, mais se desenvolve, e incluir mais uma porção de fruta por dia na dieta da mãe fornece ao bebé o mesmo benefício que nascer uma semana mais tarde”, referiu o investigador.
 

Embora os resultados sejam encorajadores, o investigador refere que se deve ter cuidado com o consumo excessivo de fruta, uma vez que pode potenciar o desenvolvimento de algumas complicações, como diabetes gestacional e elevado peso à nascença, condições estas que estão associadas ao aumento da ingestão de açúcares naturais. Desta forma, Piush Mandhane sugere que as mulheres grávidas devem ingerir a dose diária recomendada no Guia Alimentar do Canadá e consultar os seus médicos.
 

O investigador refere que planeia analisar se os efeitos do consumo da fruta na gravidez persistem nas crianças ao longo do tempo. A equipa de Piush Mandhane vai também tentar determinar se a fruta pode influenciar o desenvolvimento infantil envolvido no funcionamento executivo, em áreas como planeamento, organização e memória de trabalho.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.