Consumo de estatinas associado a mais efeitos secundários

Estudo publicado no “British Medical Journal”

26 maio 2010
  |  Partilhar:

As estatinas, fármacos destinados a controlar os níveis de colesterol, podem implicar efeitos secundários não previstos, que devem levar o médico a repensar a sua prescrição, adverte um estudo publicado no “British Medical Journal”.

 

A investigação realizada ao longo de 6 anos por uma equipa da University of Nottingham, Reino Unido, analisou dados referentes a dois milhões de pessoas com idades entre os 30 e os 84 anos. Da análise, os cientistas verificaram que em cada 10 mil pessoas que tomavam estatinas havia menos 271 casos de doença cardíaca e menos 8 casos de cancro no esófago. Contudo, a análise mostrou também que o medicamento tem efeitos secundários: por cada 10 mil doentes que tomavam o fármaco, foram observados 307 casos extra de cataratas, mais 23 casos de insuficiência renal aguda e mais 74 casos de disfunção do fígado.

 

De acordo com o estudo, o risco de efeitos secundários é mais elevado no primeiro ano da toma do medicamento. “Sabemos que um pequeno número de pessoas que tomam estatinas experimenta efeitos secundários indesejados”, disse à BBC a líder da investigação, June Davison, acrescentando, no entanto, que para muitos doentes os benefícios das estatinas ultrapassam os efeitos secundários e que o importante é que o paciente consulte um médico antes de iniciar o tratamento e quando apresentar algum efeito secundário.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar