Consumo de drogas e álcool diminui

Dados de um inquérito nacional

23 abril 2013
  |  Partilhar:

O consumo de drogas e álcool diminui em Portugal, situando-se abaixo da média europeia e é mais prevalente nos homens do que nas mulheres, indica o “III Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoativas na População Geral – Portugal 2012”.
 

A notícia avançada pela agência Lusa refere que os dados provisórios deste inquérito apontam para uma redução do consumo de substâncias ilícitas e lícitas tanto ao longo da vida, como do último ano e do último mês, quando comparados com os resultados do inquérito de 2007.
 

Este estudo teve por base três inquéritos realizados em 2001, 2007 e 2012 à população dos 15 aos 64 anos - em 2012 foi considerada a população até aos 74 anos, mas para efeitos de comparação analisou-se apenas até aos 64, ficando os restantes para posterior apresentação.
 

Nos três períodos analisados, as prevalências dos consumos de substâncias psicoativas, em particular as ilícitas, situam-se “abaixo das médias registadas noutros países europeus”.
 

A tendência de evolução dos consumos no geral é marcada por um aumento de 2001 para 2007 e de uma redução ou estabilização de 2007 para 2012.
 

No que respeita ao consumo de qualquer substancia ilícita ao longo da vida a prevalência nos três anos em estudo foi de 7,8% (2001), 12% (2007) e 9,9% (2012).
 

No entanto, se for considerado o último ano, a evolução foi de 3,4%, 3,7% e 2,7%, e no último mês foi de 2,5%, 2,5% e 1,7%.
 

“Uma leitura feita no sentido da redução é possível quando atentamos no facto de, no plano de qualquer substância ao longo da vida, terem diminuído, em 2012, os consumos recentes e correntes, na ordem dos 2% em relação a 2007”, revela o estudo, que inquiriu mais de 6.000 pessoas.
 

No geral, os consumos são mais prevalentes entre os homens do que entre as mulheres, com exceção da cocaína, das bebidas alcoólicas e do tabaco, em que a proporção é idêntica.
 

Relativamente à idade, os consumos de drogas ilícitas ao longo da vida estão associados às camadas mais jovens (15-34 anos), com 14,9% dos inquiridos a declarar ter consumido.
 

Deste total, 22,8% eram homens e 6,8% mulheres, percentagem que baixa para 10,8% e 3,1%, respetivamente, quando se fala do grupo etário entre os 35 e os 64 anos (prevalência total do grupo é de 6,8%).

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.