Consumo de derivados de soja aumenta esperança de vida

Estudo publicado na revista Faseb NJournal

14 dezembro 2006
  |  Partilhar:

 

Investigadores, da Universidade de Valência, Espanha, comprovaram que a genisteína, o fitoestrógeno mais abundante da soja, aumenta a expressão de genes antioxidantes que favorecem a longevidade.
 

 

O trabalho, assinado pelos investigadores, José Viña, Consuelo Borrás, Carmen Gómez-Cabrera, Juan Sastre e Federico Pallardó foi publicado na revista especialista norte-americana Faseb NJournal.
 

 

"Entre os especialistas existe uma grande controvérsia relativamente ao uso da Terapia Hormonal de Substituição com estrógenos, dado ter sido associada a um aumento da incidência de tumores, podendo afectar negativamente o sistema cardiovascular", explicou Viña.
 

 

Por isso os investigadores espanhóis apostaram no estudo da genisteína, uma molécula com uma estrutura química muito semelhante aos estrógenos" e que pode por isso ser usada como alternativa.
 

 

Os resultados da investigação demonstram que em "concentrações nutricionalmente relevantes, semelhantes às pessoas que consomem habitualmente soja", a genisteína reproduz os efeitos benéficos dos estrógenos.
 

 

Para garantir a expressão dos genes de longevidade, seria recomendável que a dieta ocidental passasse, por isso, a incluir uma quantidade de soja comparável à que consomem as pessoas que, como os orientais, se alimentar à base de dietas ricas em soja.
 

 

Fontes: Lusa e Imprensa Internacional
 

MNI-Médicos Na Internet
 

 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.