Consumo de álcool no primeiro trimestre de gravidez aumenta risco de deficiências

Estudo publicado no “Alcoholism: Clinical & Experimental Research”

19 janeiro 2012
  |  Partilhar:

O consumo de álcool durante a gravidez aumenta o risco dos bebés desenvolverem um conjunto de deficiências conhecida por síndrome alcoólica fetal. Um novo estudo publicado na “Alcoholism: Clinical & Experimental Research” dá conta agora que o consumo de álcool durante a segunda metade do primeiro trimestre de gravidez é o momento crítico para que este tipo de síndrome se desenvolva.

 

A síndrome alcoólica fetal pode resultar no aparecimento de problemas físicos, alterações comportamentais e de aprendizagem. Os indivíduos que apresentam esta síndrome apresentam características faciais anormais nomeadamente, microcefalia, fendas palpebrais curtas, lábio superior fino e hipoplasia do philtrum e/ou do maxilar superior, narinas antevertidas e deficiências no crescimento.

 

Para este estudo, os investigadores da University of California, nos EUA contaram com a participação de 992 mulheres grávidas. Ao fim de cada trimestre da gravidez as mulheres foram questionadas quanto ao seu consumo de álcool ou de outras substâncias, as datas específicas destes consumos, bebidas por dia e número máximo de bebidas consumidas. Após o nascimento foram recolhidas informações sobre o desenvolvimento dos bebés.

 

O estudo revelou que a exposição a concentrações elevadas de álcool estava associada a um maior risco de os recém-nascidos nascerem com baixo peso e estatura, bem como microcefalia. A associação entre o consumo de álcool e o desenvolvimento destas deficiências foi mais significativa quando o consumo de álcool ocorreu na segunda metade do primeiro trimestre de gravidez.

 

Os investigadores constataram que o consumo adicional de, em média, uma bebida por dia, durante a gravidez, conduziu a um aumento de 25% do risco dos bebés apresentarem hipoplasia do philtrum e/ou do maxilar superior; um risco 22% maior de terem lábio superior fino, um risco 12% maior de terem microcefalia, um risco 16% maior de terem baixo peso à nascença e um risco 18% maior de terem uma menor estatura.

 

Os autores do estudo acreditam que estes resultados reforçam a ideia que não existe um nível de consumo de álcool “seguro” durante a gravidez. “Os médicos devem continuar a encorajar a mulheres que estão a planear ficar grávidas a evitar o consumo de álcool”, revelaram, os investigadores, em comunicado de imprensa.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.