Consumo de álcool na gravidez associado a escassez de espermatozóides do filho

Estudo apresentado na Sociedade Europeia de Reprodução Humana

12 julho 2010
  |  Partilhar:

As mulheres que consomem bebidas alcoólicas durante a gravidez podem estar a prejudicar a qualidade dos espermatozóides dos seus filhos, revela um estudo da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, apresentado no encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana.

 

A investigação avaliou 347 filhos de 11.980 mulheres que participaram no estudo “Hábitos saudáveis por dois”, realizado naquele país entre 1984 e 1987. Por volta da 36ª semana de gravidez, as mães responderam a um questionário sobre estilo de vida e saúde. Os filhos foram avaliados em 2005 e 2006, quando tinham entre 18 e 21 anos, tendo-lhes sido retiradas amostras de sémen e de sangue para pesquisa.

 

Da análise, os cientistas verificaram que os filhos de mulheres que beberam pelo menos 4,5 doses de bebidas alcoólicas por semana durante a gravidez apresentavam, aos 20 anos, uma concentração de espermatozóides 32% inferior à dos que não tinham sido expostos ao álcool in utero.

 

Os cientistas consideraram como dose o equivalente a uma lata de cerveja (330ml), um pequeno copo de vinho (120ml) ou 40 ml de uma bebida espirituosa.

 

Entretanto, a equipa liderada por Cecilia Aarhus salvaguarda que, pelo facto de o estudo ser observacional, não ficou claro se a ingestão de álcool na gravidez é mesmo a causa da menor concentração de espermatozóides nos filhos. “É possível que beber álcool durante a gravidez tenha efeitos prejudiciais sobre o tecido fetal produtor de sémen nos testículos e, consequentemente, sobre a qualidade do sémen mais tarde na vida, mas o nosso estudo é o primeiro desse tipo, e são necessárias mais investigações nesta área antes que possamos estabelecer qualquer relação causal ou propor limites seguros de ingestão alcoólica”, explicam os autores, em comunicado de imprensa.

 

Se, no entanto, resultados semelhantes forem observados em estudos futuros, podemos ter novos dados que nos ajudem a explicar por que razão a qualidade do sémen decaiu nas últimas décadas, bem como porque é melhor em alguns países do que noutros.

 

No trabalho também foi investigado se o consumo de álcool pelo pai tinha algum efeito na qualidade do sémen do filho, mas não foram encontradas ligações.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.