Consumismo alastra a um ritmo insustentável

Doenças derivadas de comportamento voraz aumentam no mundo

26 janeiro 2004
  |  Partilhar:

Seria necessário um planeta três vezes maior do que a Terra para saciar o apetite consumista global, segundo o relatório sobre «o estado do Mundo em 2004», publicado recentemente pelo Instituto Worldwatch, que alerta para o facto de este apetite ter atingido um ritmo insustentável. De acordo com este organismo, as doenças resultantes do consumismo, entre elas a obesidade, afectaram gravemente os sectores de maiores recursos. «O mundo consome produtos e serviços a um ritmo insustentável, com resultados graves para o bem-estar dos povos e do planeta», destaca o relatório. Mais de 1.700 milhões de pessoas passaram a fazer parte no século passado da «classe consumista» e adoptaram dietas, sistemas de transporte e estilos de vida até agora limitados à Europa, América do Norte e Japão. «O aumento do consumo ajudou a atender necessidades básicas e a criar fontes de emprego», frisou o presidente do Worldwatch Institute, Christopher Flavin, ao dar a conhecer o relatório. «Porém neste século, o apetite consumista sem precedentes destruiu os sistemas naturais dos quais dependemos e fez com que fosse ainda mais difícil aos pobres satisfazerem as suas necessidades básicas», acrescentou. O relatório revela que os gastos com a aquisição de bens e serviços quadruplicaram desde 1960 e em 2000 ultrapassaram os 20 biliões de dólares: 12 por cento dos habitantes da América do Norte e Europa Ocidental são responsáveis por 60 por cento desse consumo, enquanto que os que vivem no sudeste asiático ou em África representam apenas 3,2 por cento. Fonte: Diário Digital

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.