Composto da casca de maçã pode ajudar a queimar gorduras e reduzir obesidade

Estudo publicado na “PLoS ONE”

26 junho 2012
  |  Partilhar:

A casca de maçã contém um composto que ajuda queimar calorias e a reduzir o risco de desenvolvimento de obesidade, pré-diabetes e doença do fígado gordo, sugere um estudo publicado na “PLoS ONE”.

 

O estudo levado a cabo pelos investigadores da University of Iowa, nos EUA, sugere que o ácido ursólico reduz a obesidade e os problemas a ela associados, através do aumento da massa muscular e das células adiposas castanhas.

 

“Uma vez que a massa muscular é excelente a queimar calorias, o aumento desta nos animais tratados com ácido ursólico pode explicar o motivo pelo qual esta substância reduz a obesidade. No entanto, ficámos surpreendidos por verificar que o ácido ursólico também aumenta a quantidade de células adiposas castanhas, as quais também são capazes de queimar calorias”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Christopher Adams.

 

Neste estudo, os investigadores alimentaram, durante algumas semanas, ratinhos com uma dieta rica em gordura, metade deles foi também suplementado com ácido ursólico. Foi verificado que, apesar de estes últimos animais comerem mais, ganhavam menos peso e apresentavam níveis de glucose mais perto dos normais. Os animais suplementados com ácido ursólico também não desenvolveram doença do fígado gordo.

 

O estudo também demonstrou que o consumo de ácido ursólico conduziu a um aumento da massa muscular, aumentando a força dos animais e a quantidade de células adiposas castanhas. Dado que tanto a massa muscular com estas células são capazes de queimar gordura, os investigadores decidiram avaliar a quantidade de energia despendida pelos animais. Constatou-se que os ratinhos alimentados com ácido ursólico queimavam mais calorias do que aqueles que não tinham ingerido este suplemento.

 

Até há relativamente pouco tempo, os cientistas acreditavam que apenas as crianças tinham células adiposas acastanhas, as quais desapareciam durante a infância. Contudo, alguns estudos vieram demonstrar que os adultos conseguem reter uma pequena quantidade dessas células. Por outro lado, foi também demonstrada uma associação entre níveis elevados de células adiposas castanhas e níveis baixos de obesidade, níveis saudáveis de glucose e lípidos no sangue, o que sugere que estas células podem ser úteis na prevenção da obesidade e diabetes.

 

Assim, os cientistas têm vindo a investigar formas de aumentar o número de células adiposas castanhas e de acordo com os resultados deste estudo, o ácido ursólico poderá ser uma das alternativas a ser avaliada nos humanos.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.