Combinação de fármacos prolonga vida de mulheres com cancro da mama

Estudo publicado no “New England Journal of Medicine”

22 agosto 2012
  |  Partilhar:

A combinação de dois fármacos antiestrogénicos – anastrozol (Arimidex) e fulvestrante (Faslodex) – utilizados no combate ao cancro da mama podem funcionar melhor em conjunto do que separadamente, prolongando a vida de mulheres mais velhas com cancro da mama disseminado, dá conta um estudo publicado no “New England Journal of Medicine”.

 

Para o estudo, cerca de 700 mulheres em menopausa receberam apenas Arimidex ou ambos os fármacos. Os autores procuraram verificar se a combinação dos fármacos melhorou a sua sobrevivência e se o cancro se espalhou ou não, a denominada sobrevivência livre de progressão.

 

Os resultados demonstraram que as mulheres sujeitas à terapêutica combinada viveram uma mediana de 47,7 meses (metade viveu mais tempo, metade viveu menos tempo), enquanto aquelas que apenas tomaram um dos fármacos viveram uma mediana de 41,3 meses.  Em termos de progressão da doença, esta demorou 15 meses a progredir nas mulheres que tomaram ambos os fármacos e 13,5 meses naquelas que apenas tomaram um.

 

Rita Mehta, da School of Medicine, University of California, EUA, afirma: “com a combinação, há uma melhoria de 20% na sobrevivência livre de progressão e uma melhoria de 19% na sobrevivência geral”.

 

Apesar de se terem detetado efeitos secundários semelhantes graves em ambos os grupos, três mulheres no grupo da terapêutica combinada morreram, possivelmente devido ao tratamento.

 

Não obstante a melhoria da sobrevivência livre de progressão de 1,5 meses poder não parecer um feito notável, a diferença na sobrevivência geral é impressionante, na opinião de Joanne Mortimer, diretora do Women’s Cancer Program no City of Hope Comprehensive Cancer Center, nos EUA.

 

“Muito mais importante para os pacientes é se vivem mais tempo. A sobrevivência é a meta dourada”, esclarece Mortimer.

 

Há vários outros regimes em estudo para ajudar mulheres com este tipo de cancro da mama. “Não sabemos de que forma esta combinação [em particular] irá ser incorporada na prática clínica”, adianta Mortimer.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.