Colonização espacial pode ser o futuro da humanidade

Stephen Hawking lança algumas previsões até ao ano 3000

17 outubro 2001
  |  Partilhar:

A colonização do espaço poderá ser a solução para os problemas que afectam a humanidade. Quem o afirma é o inglês Stephen Hawking, , considerado o maior nome da Física desde Albert Einstein.
 

 

Em entrevista publicada ontem no jornal «Daily Telegraph»;, o reputado físico afirmou que a humanidade não verá o ano 3000 se não colonizar o espaço.
 

 

Espalhar a humanidade pelo Universo será, Segundo o cientista, a única forma de evitar a extinção da espécie pela biotecnologia. «Há o perigo de que, por acidente ou de forma proposital, venha a ser criado um vírus capaz de nos destruir a todos», afirmou o físico.
 

 

Para Hawking, o potencial destruidor da guerra biológica é, a longo prazo, maior que o das armas nucleares. «Para criar armas nucleares são necessárias grandes instalações», considerou.
 

 

Mas, ao invés, «a engenharia genética pode ser realizada em pequenos laboratórios. E é impossível ter controlo sobre todos os laboratórios do mundo».
 

 

 

As previsões não são animadoras e parecem saídas de um filme de ficção científica. Mas, para o cientista, os seres humanos terão de simplesmente «aprender a viver no espaço» para sobreviver. Para tal, a espécie humana terá que ser «geneticamente modificada» para suportar os rigores do novo ambiente. «Não acredito que a raça humana possa sobreviver aos próximos mil anos, a menos que nos espalhemos pelo espaço», afirmou. «Muitos acidentes podem ocorrer, capazes de extinguir toda a vida num único planeta».
 

 

Optimismo
 

 

Apesar de todos os riscos, Hawking, que sofre de esclerose múltipla, mantém-se optimista: «É preciso viver a acreditar que a vida continuará», disse. «E acho que há boas probabilidades de que continue. Mas temos que reconhecer os riscos».
 

 

O britânico, um físico teórico que entrou para a lista dos livros mais vendidos com «Uma Breve História do Tempo», reforça a ideia de que é um optimista. «Vamos alcançar as estrelas», concluiu.
 

 

Um sistema de «teletransporte», bem ao estilo da antiga série televisiva «Caminho das Estrelas», seria um dos modos de evitar as longas viagens em veículos que vão a velocidades menores que a da luz, divagou Hawking.
 

 

Perfil de Hawking
 

 

Stephen Hawking trabalha desde sempre nas leis que regem o Universo. Com Roger Penrose, demonstrou que a Teoria Geral da Relatividade de Einstein sobre o tempo e o espaço começa com o Big Bang e acaba em buracos negros.
 

 

Estes resultados demonstram a necessidade de se conjugar a Teoria da Relatividade com a Teoria Quântica, outro grande marco do desenvolvimento científico da primeira metade do século XX.
 

 

Como consequência de uma tal unificação ficou a saber-se que os buracos negros não são completamente negros, devendo emitir radiação e, eventualmente evaporar-se ou desaparecer. Uma outra conjectura reside no facto de o universo não ter uma idade imaginária e que o seu surgimento se dá de uma forma absolutamente determinada pelas leis da ciência.
 

 

De um rol extenso de publicações, destaque para «The Large Scale Structure of Spacetime», «General Relativity: An Einstein Centenary Survey», «300 Years of Gravity», «A Brief Story of Time» e «Black Holes and Baby Universes and Other Essays».
 

 

Paula Pedro Martins
 

 

MNI - Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.