Colchicina eficaz no tratamento de primeiro episódio de pericardite

Estudo publicado na revista “The New England Journal of Medicine”

07 novembro 2013
  |  Partilhar:

Um ensaio clínico comprova a eficácia da colchicina no primeiro episódio agudo de pericardite e na prevenção de sintomatologia recorrente, dá conta um estudo publicado na revista “The New England Journal of Medicine”.
 

A pericardite é a inflamação sintomática do pericárdio, de início súbito, com sintomas com duração inferior a duas semanas. A real prevalência de pericardite é desconhecida, no entanto pode ser responsável por 1% das idas às urgências por dor torácica.
 

O estudo, levado a cabo por investigadores italianos, apurou que a adição de colchicina à terapia convencional com aspirina ou glucocorticóides reduziu para metade a taxa de recorrência após o primeiro episódio de pericardite aguda.
 

“A Colchicina já era usada com sucesso no tratamento da pericardite recorrente, mas este estudo científico veio comprovar resultados conclusivos quanto ao uso desta substância logo no primeiro episódio agudo de pericardite”, refere o comunicado de imprensa enviado à Alert.
 

Neste estudo, os investigadores propuseram-se a avaliar o impacto da colchicina ou de um placebo, em conjunto com a medicação convencional de aspirina ou ibuprofeno, na persistência ou recorrência da pericardite. Foram envolvidos 240 doentes (metade em cada grupo de estudo).

 

O estudo apurou que a colchicina reduziu a taxa de persistência de sintomas até às 72 horas (19.2% vs. 40.0%), o número de recorrências por doente e a taxa de hospitalização (5.0% vs. 14.2%). A colchicina melhorou também a taxa de remissão na primeira semana (85.0% vs. 58.3%).
 

De acordo com os investigadores, os eventos adversos e as taxas de descontinuação da medicação em estudo foram similares aos do grupo placebo. Não se observaram eventos adversos graves.
 

Os autores concluem assim que “em doentes com pericardite, quando adicionada à terapêutica anti-inflamatória clássica, a colchicina reduz de forma estatisticamente significativa a persistência ou recorrência de pericardite.”

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.