Cirurgias e anestesia podem afetar a memória

Estudo publicado na revista “Anaesthesia”

26 fevereiro 2018
  |  Partilhar:
Um novo estudo demonstrou que pacientes que tinham sido submetidos a uma intervenção cirúrgica e recebido anestesia revelavam pontuações ligeiramente inferiores em testes de memória.
 
A equipa de investigadores da Faculdade de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Wisconsin-Madison, EUA, que conduziu o estudo tinha-se proposto apurar os efeitos da anestesia geral sobre pacientes de meia-idade e sem disfunção cognitiva.
 
Um estudo anterior tinha revelado que o declínio cognitivo tinha piorado em pacientes, com uma média de idades de 73 anos e que apresentavam já alguma disfunção cognitiva, após terem sido submetidos a cirurgia com anestesia geral. 
 
Este estudo, longitudinal e de natureza observacional, contou com a participação de 964 indivíduos, com uma média de idades de 54 anos, cuja memória e função executiva foram medidas no início do estudo, não apresentando disfunção cognitiva naquela fase.
 
Quatro anos mais tarde, 312 dos participantes tinham sido submetidos a cirurgia e 652 não tinham. A intervenção cirúrgica, efetuada naquele intervalo de tempo, foi associada a um declínio na memória imediata de um ponto (de uma escala de 30).
 
A memória tornou-se anormal em 77 participantes de um total de 670 que apresentavam inicialmente uma memória normal, 21 de 114 (18%) dos quais tinham sido submetidos a uma intervenção cirúrgica, em comparação com 56 de 556 (10%) dos que não tinham sido submetidos àquele procedimento.
 
O número de cirurgias foi associado a uma redução na memória imediata nos testes subsequentes. O declínio na memória funcional foi também associado à acumulação de cirurgias.
 
A redução na velocidade e flexibilidade cognitivas foi associada a um pior estado físico. No entanto, o declínio na memória funcional foi associado a um melhor estado físico. 
 
“As alterações cognitivas que relatamos são estatisticamente altamente significativas considerando os padrões normativos internos que empregamos e o tamanho elevado da amostra do controlo, ou a população sem cirurgias. Mas as alterações cognitivas após a cirurgia são pequenas – muito provavelmente assintomáticas e abaixo da perceção pessoal”, comentou Kirk Hogan, autor sénior do estudo.
 
O investigador disse, no entanto, que é demasiado cedo para se recomendar alterações na prática clínica em relação à prevenção, diagnóstico, gestão e prognóstico de alterações cognitivas após as cirurgias. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar