Cintura superior a um metro indica risco de diabetes

Estudo avalia quase três mil voluntários

27 abril 2005
  |  Partilhar:

 

 

Pessoas com um metro ou mais de cintura correm mais riscos de desenvolver insulino-resistência, precursora da diabetes, bem como de doenças cardíacas, segundo um estudo publicado na revista British Medical Journal.
 

 

O limite é sugerido por investigadores suecos que compararam as medidas das cinturas com os indícios biológicos de sensibilidade à insulina entre 2,7 mil voluntários adultos de várias idades e tipos físicos. «Uma cintura de menos de 100 centímetros exclui a resistência à insulina em ambos os sexos», destacou o estudo.
 

A medida de um metro é uma forma simples de fazer um cálculo mais complexo, tal como o do índice de massa corporal ou a proporção entre cintura e quadris, que às vezes são usadas para prever a resistência à insulina.
 

 

A diabetes é causada por um problema à insulina, a hormona que estimula as células do corpo a absorver a glicose, fonte de energia, e do sangue. A deficiência de insulina pode causar problemas cardíacos e sanguíneos responsáveis por 50 a 80 por cento das mortes que ocorrem entre diabéticos. Pessoas com a forma mais grave da doença também podem sofrer de cegueira, amputações e insuficiência renal.
 

 

A resistência à insulina é a causa da chamada diabetes Tipo 2, que responde por 90 por cento de todos os casos da doença e que, normalmente se manifesta em adultos, a partir dos 40 anos. Na diabetes Tipo 2, a insulina é produzida em níveis insuficientes ou não funciona de forma eficaz, seja por ser deficiente de alguma forma ou porque as próprias células se tornaram resistentes.
 

 

A incidência desta variável da diabetes disparou com o aumento da obesidade, provocada pelo consumo de açúcares e gorduras e por um estilo de vida sedentário.
 

 

A diabetes Tipo 1 desenvolve-se na infância, quando o sistema imunitário destrói as células-beta e deixa o doente com uma dependência de insulina durante toda a vida. O estudo foi liderado por Hans Wahrenberg, professor associado do Hospital Universitário Karolinska, em Estocolmo.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

Jornalista
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.