Cientistas prometem descobrir cura para a calvície

Os carecas podem mesmo passar à história

16 outubro 2001
  |  Partilhar:

A calvície é, para muitos, um problema que urge respostas eficazes. Mas esta situação que passa muito pelo culto da imagem não é apenas uma preocupação dos nossos dias. Em 4000 a.C. foram descobertos papiros, no Egipto, com fórmulas para combater a calvície. Vários misturas de ingredientes estranhos, como dente de cavalo, gordura de urso e medula de cervo, prometiam um reluzente e farfalhudo cabelo.
 

 

Agora, um grupo de cientistas americanos afirmou estar muito próximo de descobrir a cura para alguns casos congénitos de calvície. Durante as últimas décadas ficou estabelecido que um gene conhecido como «calvo» estaria ligado aos problemas. Agora, os cientistas sabem como este gene funciona entre pessoas saudáveis.
 

 

Para quem «sofra» com o facto de ser careca esta é, sem dúvida, uma esperança. O próximo passo da investigação é descobrir o que acontece quando o gene não funciona correctamente.
 

 

A cientista Katherine Thompson, do Instituto Kennedy Krieger, em Baltimore, Maryland, Estados Unidos, disse à BBCestar à espera que a descoberta possa esclarecer as causas dos problemas mais comuns de queda de cabelo.
 

 

Genoma
 

 

O grupo de cientistas do qual Thompson faz parte descobriu que o gene «calvo» funciona próximo dos receptores das hormonas da tiróide. Mas, os cientistas querem descobrir
 

a sequência de acontecimentos que ocorrem depois da interacção entre o gene e os receptores das hormonas.
 

 

As mutações do gene «calvo» são conhecidas por realçar duas formas específicas de problemas de queda de cabelo. As pessoas com estes problemas perdem uma parte ou todo o cabelo de uma vez, logo após o nascimento. Estas pessoas também podem ter um problema que causa o enrugamento da pele.
 

 

A investigação que foi publicada na revista Genes e Desenvolvimento destaca a dificuldade de se transformar os conhecimentos sobre genes - abundantes por causa do Projecto Genoma Humano - em tratamentos médicos viáveis.
 

 

 

Em alguns casos, os cientistas podem descobrir a função de uma proteína comparando a sua estrutura com outra já estudada. Mas, neste caso, isso não foi possível. «Não havia maneira de prever o que esta proteína faz baseando-nos apenas na sua sequência, a nossa maior pista para o caso era descobrir como a proteína interage», apontou Catherine Thompson.
 

 

História da calvície
 

 

Consta que Cleópatra, a famosa imperatriz, não gostava da calvície de Júlio César, obrigando-o a usar fórmulas à base de rato doméstico cozido, dente de cavalo, gordura de urso e medula de cervo.
 

 

Hipócrates, o «pai» da Medicina, receitava para quadros iniciais de calvície massagens de láudano com óleo de rosa, linho ou de oliva verde. Em casos mais avançados prescrevia cataplasma à base de cominho, fezes de pombo, alho esmagado e urtiga.
 

 

Por toda a Idade Média vários medicamentos foram sugeridos, inclusive urina de cão, poções dos mais variados animais, infusões de inúmeros vegetais e até rituais de exorcismo.
 

 

No entanto, uma fórmula que se tornou muito famosa foi idealizada por volta do ano de 1600, e era feita à base de várias plantas medicinais, vinho, semente de rabanete, bago de uva, óleo de linhaça, trigo etc. Esta fórmula foi adoptada, na época, pelo exército alemão, que também adicionava saliva de cavalo como complemento.
 

 

Dos charlatões aos médicos
 

 

Em todos os tempos a calvície sempre foi um dos problemas mais apetecidos para o negócio dos charlatões. Emplastros, mezinhas e misturas estranhas eram vendidas nas feiras medievais, sob a promessa de cura rápida aos que já não tinham cabelo.
 

 

Hipócrates, em 460 a.C., observou que crianças e eunucos não desenvolviam cabelo. Mas foram os estudos científicos de J. B. Hamilton, no início da década de 40, que mostraram uma deficiência hormonal que conduzia à não produção de testosterona, a hormona masculina, antes da puberdade. Além deste facto, também existia, nos casos relatados, uma componente hereditária .
 

 

Paula Pedro Martins
 

 

MNI - Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.