Cientistas desenvolvem batata light

Tubérculo tem menos 30 por cento de hidratos de carbono

14 junho 2004
  |  Partilhar:

 

 

 

 

O mundo tal como os nossos avós o conheceram está completamente diferente. Enquanto os bio-tecnólogos usam a engenharia genética para criar alimentos mais nutritivos, outros investigadores lançam mão de métodos tradicionais para empobrecê-los caloricamente.
 

Uma empresa holandesa e cientistas americanos desenvolveram uma batata light, com menos 30 por cento de hidratos de carbono. O produto deve entrar nos supermercados americanos já em 2005.
 

 

O produto é consequência da febre nos EUA à volta da famosa dieta Atkins, que prescreve uma redução drástica no consumo de hidratos de carbono (como o amido da batata ou açúcares) e o aumento da ingestão de proteínas.
 

 

A batata «low-carb» parece ter sido desenvolvida para esse tipo de mercado: além de menos amido, tem mais proteínas e fibras alimentares que uma batata normal, o que resulta em 28 por cento menos calorias.
 

Chad Hutchinson, agrónomo especialista em batatas da Universidade da Flórida, nos EUA, e um dos responsáveis pelo projecto.
 

 

A batata light foi desenvolvida utilizando métodos convencionais de selecção. Ela não é geneticamente modificada, mas envolveu uma grande operação: para chegar à batata desejada, os investigadores tiveram de examinar centenas de milhares de plantas, procurando mais de 80 características físicas e genéticas relacionadas com o rendimento, aparência e sabor.
 

 

Segundo os investigadores da Universidade da Flórida, nos EUA, o resultado final, além de ser uma possível saída para a recuperação do mercado de batatas americano --que andava em crise--, também traz benefícios aos agricultores que cultivarem a batata.
 

Essas batatas, segundo os cientistas, precisam de menos adubo e levam menos tempo a crescer que as normais. Os novos tubérculos levam 65 dias para crescer, bem menos que os até cem dias necessários para a maior parte das variedades da planta disponíveis.
 

 

Mas adianta ainda a companhia holandesa, HZPC (www.hzpc.com), a casca dessa variedade de batata desenvolve-se mais rápido, o que aumenta a resistência aos danos.
 

As batatas, um pouco mais amarelas que as comuns, têm um sabor ligeiramente diferente, e podem ser preparadas de todas as formas --fritas, cozidas ou processadas industrialmente. E serão saborosas? Os cientistas dizem que sim.
 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

Jornalista
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.