Cientistas criam gado resistente à Encefalopatia Espongiforme Bovina

Estudo publicado na Nature Biotechnology

05 janeiro 2007
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores dos EUA e do Japão, financiados pela Sioux Falls, uma empresa de biotecnologia, criaram vacas geneticamente modificadas, livres das proteínas que causam a Doença das Vacas Loucas, segundo um estudo publicado na edição on-line da revista Nature Biotechnology.
 

 

No artigo publicado no site, os cientistas garantem que esta descoberta é um atalho para imunizar os animais da doença.
 

 

Retirando células da pele de bovinos, os cientistas identificaram e desactivaram o gene que produz os priões (proteína com capacidade de modificar outras proteínas tornando-as réplicas de si própria). Com essas células, produziram doze bezerros clonados.
 

 

Para a experiência, três animais foram abatidos e os seus cérebros analisados. Segundo os cientistas, a doença não se fixou no tecido cerebral de duas vacas quando estas foram expostas aos priões. "Esta pesquisa é um grande passo para o uso de biotecnologia nos animais que irá beneficiar os consumidores", afirmou Barbara Glenn, da Sioux Falls.
 

 

Especialistas afirmam que o trabalho pode oferecer um maior nível de segurança às pessoas preocupadas com a carne infectada que pode desencadear a variante humana, denominada doença de Creutzfeldt-Jakob. Contudo, qualquer alimento derivado de mudanças genéticas precisa da aprovação da FDA (Food and Drug Administration).
 

 

No momento da pesquisa, as vacas estão a ser expostas directamente à doença. O objectivo é ter certeza de que o gado fica imune à doença. O resultado final do estudo será conhecido até o fim deste ano, de acordo com o grupo.
 

 

MNI- Médicos na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.