Cérebro precisa de serotonina para acalmar os agressivos

Estudo publicado na revista “Newscientist“

12 outubro 2011
  |  Partilhar:

Pessoas irritadas poderiam conseguir alguma tranquilidade se tivessem mais serotonina, sugere um estudo publicado na revista “Newscientist“.

 

Num estudo italiano, os investigadores forneceram uma dieta a 19 voluntários saudáveis que lhes reduzia os níveis de serotonina, e, em seguida, os seus cérebros foram analisados através de imagens de ressonância magnética.

 

Verificaram que a comunicação entre a região da amígdala cerebral – que processa o medo – e do córtex pré-frontal tinha sido cortada. Com isso, ameaças leves poderiam desencadear reacções violentas.

 

Os cientistas verificaram o efeito ao mostrarem aos voluntários, com níveis deficientes de serotonina, imagens de rostos de raiva, tristes ou neutros, enquanto eram submetidos a exames cerebrais de ressonância magnética funcional. Os voluntários foram convidados a dizer se cada imagem era a de um homem ou de uma mulher, mas a verdadeira intenção era ver como os seus cérebros reagiram à ameaça representada pelo rosto irritado.

 

Os exames mostraram que, em todos os voluntários, a ligação entre as amígdalas e o córtex pré-frontal foi reduzida quando observaram os rostos zangados. O efeito foi mais forte naqueles com tendências violentas, como identificado num questionário. "É como se a voz da intervenção da razão fosse perdida", disse Luca Passamonti, líder da investigação, da unidade de pesquisa de neuroimagem de Catanzaro, Itália.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.