Cérebro ativa mecanismo de satisfação mesmo sem identificar sabor

Estudo publicado na revista “Frontiers in Systems Neuroscience”

05 março 2012
  |  Partilhar:

Um investigador português descobriu que há uma zona no cérebro, a ínsula, que ativa mecanismos de satisfação mesmo que não seja possível identificar o sabor dos alimentos, dá conta um estudo publicado no “Frontiers in Systems Neuroscience”.

 

Albino Oliveira-Maia explicou, à agência Lusa, que foram feitos testes em roedores de forma faseada. “Registámos a atividade neuronal enquanto estes animais modificados geneticamente consumiam sacarose, olhámos para a atividade dos neurónios desta zona mediante o consumo de sacarose e, finalmente, noutros animais fizemos lesões para verificar como é que o comportamento do animal estava modificado", sintetizou.

 

Os resultados do estudo mostraram que "o comportamento dos neurónios dessa zona [a ínsula] é modificado nos animais que aprendem a preferir a sacarose, apesar de não sentirem o seu sabor, e, por outro lado, quando introduzidas lesões nessa zona, os animais deixavam de aprender a gostar da sacarose apenas pelo seu valor calórico".

 

O investigador referiu que embora não tenha aplicação direta a seres humanos esta conclusão permite "perceber de que forma é que o valor nutritivo, o valor calórico dos alimentos, modifica a recompensa que é sentida no sistema nervoso central."

 

De facto, a satisfação ou recompensa alimentar é "um componente importante daquilo que leva [o homem] a comer ou deixar de comer".

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.