Células cancerígenas: como se escondem do sistema imunológico?

Estudo publicado na revista “Cell Reports”

13 outubro 2014
  |  Partilhar:
Uma molécula que ajuda as células cancerígenas a escaparem ao programa de autodestruição pode também ajudar estas células a esconderem-se da ação do sistema imunitário, dá conta um estudo publicado na revista “Cell Reports”.
 
O estudo levado a cabo pelos investigadores da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, demonstrou que a molécula conhecida por fator nuclear kappa B (NF-κB) ajuda as células cancerígenas a suprimirem a capacidade de o sistema imunológico as detetar e destruir. Constatou-se que a molécula regula genes que suprimem os mecanismos de vigilância do sistema imunológico, incluindo a produção de células que inibem a resposta imune.
 
De acordo com os investigadores, há muito que se sabia que o NF-κB promovia o desenvolvimento do cancro através da subversão da apoptose, um mecanismo de segurança interno que, se não fosse afetado, faria com que as células cancerígenas se autodestruíssem. 
 
Este estudo demonstrou que a NF-κB pode coordenar a rede de genes imunossupressores, cujos produtos permitem que as células cancerígenas escapem ao sistema imune adaptativo. Assim, na opinião do líder do estudo, Denis Guttridge, a inibição do NF-κB pode tornar as células tumorais mais vulneráveis à ação do sistema imunológico e consequentemente à sua eliminação.
 
Neste estudo os investidores monitorizaram a atividade do NF-κB ao longo do desenvolvimento tumoral, em fibroblastos embrionários de ratinhos e em dois modelos animais. Verificou-se que nas fases iniciais do desenvolvimento tumoral, havia a migração de um tipo de células do sistema imune inato, os macrófagos, para o tumor. Contudo, o NF-κB permitia que as células cancerígenas sobrevivessem à influência pro-apoptótica de uma citocina (TNF) produzida pelos macrófagos infiltrados.
 
O estudo apurou ainda que o NF-κB também regulava vários genes associados à supressão da resposta imune.
 
“No geral, os nossos resultados demonstram que o NF-κB desempenha um papel importante, uma vez que permite que as células escapem à vigilância do sistema imune inato e adaptativo”, conclui Denis Guttridge.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.