Células adiposas brancas poderão combater a obesidade

Estudo publicado na “Cell Metabolism”

21 março 2013
  |  Partilhar:

Uma equipa de cientistas descobriu um regulador proteico que define se os percursores das células adiposas se diferenciam em células adiposas brancas que armazenam calorias ou células adiposas castanhas que queimam calorias.
 

Patrick Seale, professor assistente de Biologia Celular e do Desenvolvimento e membro do Institute for Diabetes, Obesity and Metabolism na Perelman School of Medicine, University of Pennsylvania, EUA, e colegas sustentam que perceber a forma como funciona este regulador poderá trazer novas pistas no combate da obesidade e da diabetes.
 

Um exemplo da aplicabilidade desta descoberta poderá residir na hipótese de se poder vir a reprogramar as células adiposas brancas para que desempenhem uma função idêntica às das células adiposas castanhas.
 

O investigador afirma que “as células adiposas castanhas consistem nas células profissionais que produzem o calor do organismo”. A cor castanha destas células deve-se à alta concentração de mitocôndrias, as quais contêm pigmentos que ligam o ferro, tornando as células castanhas. Estas células queimam calorias para gerarem calor e esta característica faz com que ofereçam proteção contra a obesidade e diabetes, acrescenta ainda.
 

As células adiposas brancas são responsáveis pela acumulação de calorias nas partes do corpo características de pessoas com excesso de peso ou obesas. A acumulação excessiva de gordura na região do abdómen está associada a disfunções metabólicas, à resistência à insulina e a doenças cardiovasculares.
 

Até recentemente a comunidade científica acreditava que os únicos seres humanos que possuíam células adiposas castanhas eram os bebés. Entretanto, descobriu-se que também os adultos possuem este tipo de células em várias partes do corpo, em pequenas quantidades, mas que são significativas. Estas células provavelmente evoluíram para ajudarem os seres humanos a suportarem o frio.
 

Admite-se agora que a capacidade que as células adiposas castanhas possuem de gerar calor poderá ser também aplicada para fazer face à diabetes e à obesidade. Isto deve-se ao facto de tanto as células adiposas castanhas como as brancas se desenvolverem a partir do mesmo tipo de célula percursora, sendo o regulador proteico acima mencionado que dita em que tipo de célula adiposa se tornará essa célula percursora.
 

Alguns estudos indicam que a quantidade de células adiposas castanhas está inversamente relacionada com a idade e o índice de massa corporal (IMC), ou seja, quando as pessoas são mais velhas ou possuem um IMC mais elevado, terão tendência a apresentar menos células adiposas castanhas do que pessoas mais jovens ou com um IMC inferior.
 

Talvez através de um regulador biológico seja possível reverter esse equilíbrio e reprogramar as células adiposas brancas para que demonstrem um desempenho idêntico ao das células adiposas castanhas e assim queimarem os lípidos em vez de os armazenarem.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.