Casais portugueses estão a levar embriões criopreservados para Espanha

Considerações da presidente da Associação de Fertilidade

07 agosto 2018
  |  Partilhar:
Alguns casais cujo tratamento de infertilidade foi suspenso devido à decisão do Tribunal Constitucional de acabar com o anonimato dos dadores, decidiram levar os seus embriões criopreservados para Espanha, onde o anonimato é garantido, segundo a Associação de Fertilidade (APF).
 
“Há pessoas que estão a pegar nos seus embriões - que estão criopreservados em centros portugueses - e a levá-los a centros espanhóis, para lá poderem fazer a transferência”, disse a presidente, Cláudia Vieira, que falava à Lusa a propósito da passagem de 100 dias sobre a decisão do Tribunal Constitucional.
 
Segundo Cláudia Vieira, este processo evita que “a pessoa tenha de retomar todo um processo desgastante e também economicamente difícil”.
 
“Na altura em que foi conhecido o acórdão houve vários casais preocupados”, tendo estes sido contactados pelos centros de procriação medicamente assistida para os informar de que não poderiam usar os gâmetas doados e de que os tratamentos tinham que ser suspensos, contou Cláudia Vieira.
 
Recentemente, o Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida lançou um despacho que, “de alguma forma”, permite aos casais que têm embriões criopreservados iniciar um novo tratamento com dadores não anónimos.
 
“Isto vem, de alguma forma, dar uma luz, mas são processos a que os casais vão ter de ser de novo submetidos, não só a nível clínico, que é bastante doloroso, mas também a nível financeiro”, frisou.
 
Além disso, vai sobrecarregar o Serviço Nacional de Saúde, que já está “totalmente bloqueado nas suas respostas”.
 
Para Cláudia Vieira, tudo isto seria desnecessário se o TC tivesse tido a preocupação de “não aplicar as suas recomendações de forma retroativa”, e lamenta que, passados 100 dias, nada tenha sido feito para acautelar a situação destas famílias e de milhares de embriões que estão em risco de “ficarem sem projeto de parentalidade”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar