Carne vermelha aumenta risco de morte

Estudo publicado nos “Archives of Internal Medicine”

15 março 2012
  |  Partilhar:

O consumo de carne vermelha está associado ao aumento do risco de morte, desenvolvimento de doenças cardiovasculares e cancro, em oposição à ingestão de peixe, frango, nozes e leguminosas, dá conta um estudo publicado nos “Archives of Internal Medicine”.

 

“O nosso estudo vem comprovar o que já se tinha verificado em alguns estudos anteriores, que o elevado consumo de carne vermelha está associado ao desenvolvimento da diabetes tipo 2, doença arterial coronária, acidente vascular cerebral e certos tipos de cancro”,  revelou, em comunicado de imprensa, a líder do estudo, An Pan.

 

Para o estudo os investigadores da Harvard School of Public Health, nos EUA, contaram com a participação de 37.698 homens e 83.644 mulheres, que foram acompanhados ao longo de 22 e 28 anos, respetivamente. No início do estudo nenhum dos participantes apresentava doenças cardiovasculares ou cancro. Os hábitos alimentares foram controlados, a cada quatro anos, através de questionários.

 

O estudo apurou que, durante o período de acompanhamento, registaram-se 23.926 mortes, 5.910 das quais devido a doenças cardiovasculares e 9.464 devido a cancro. O consumo regular de carne vermelha, especialmente a carne vermelha processada, foi associado com um aumento do risco de mortalidade. O consumo de uma porção de carne vermelha e carne vermelha processada foi associado com um aumento de 13% e 20% do risco de morte, respetivamente.

 

A carne vermelha, especialmente a carne processada, contém ingredientes que têm vindo a ser associados com o aumento do risco de doenças crónicas. Estes incluem gordura saturada, sódio, nitritos, e algumas substâncias carcinogénicas que são formadas durante a sua preparação.

 

Os investigadores também constataram que a substituição de uma porção de carne por uma porção de uma fonte proteica saudável diminuía o risco de mortalidade em: 7% para o peixe, 14% para o frango, 19% para as nozes, 10% para os legumes, 10% para os produtos lácteos com baixo teor de gordura e 14% para os cereais.

 

“Este estudo mostra claramente que o consumo regular de carne vermelha, especialmente a carne processada, contribui para a morte prematura”, revelou em comunicado de imprensa um dos autores do estudo, Frank Hu. “Por outro lado, a escolha de fontes mais saudáveis de proteínas pode reduzir a mortalidade e morbilidade das doenças crónicas”, conclui o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.