Carência de iodo afecta 80% das grávidas

Especialistas consideram venda exclusiva de sal iodado

13 novembro 2007
  |  Partilhar:

 

A venda de sal iodado, como aconteceu em algumas regiões do País até 1996 devido a problemas de tiróide, está a ser equacionada depois de um estudo ter identificado carências de iodo em 80% das grávidas.
 

 

João Jácome de Castro, um dos autores do estudo elaborado pelo Grupo de Estudos da Tiróide da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo, adiantou que, segundo os resultados preliminares, 80% das mais de 2200 grávidas observadas em 10 maternidades portuguesas tinham valores de iodo abaixo do desejável e 20% valores muito abaixo do normal.
 

 

A deficiente ingestão de iodo pode levar ao Hipotiroidismo e a um aumento da hormona hipofisária, que estimula a tiróide (TSH) na tentativa de compensar a diminuição. Estas alterações podem aumentar a tiróide (bócio) e, se o Hipotiroidismo ocorrer durante o desenvolvimento pré-natal ou na infância, pode levar a problemas mentais e de crescimento. O iodo é um elemento que existe em pouca quantidade na natureza e que o organismo necessita para o seu normal funcionamento.
 

 

A segunda fase deste estudo já começou no distrito de Lisboa e pretende comparar os dados recolhidos entre as grávidas com os de crianças em idade escolar, a fim de propor às autoridades de saúde eventuais medidas para compensar a falta de iodo.
 

 

A recomendação do uso de sal iodado foi ratificada pela Organização Mundial da Saúde, UNICEF e pelo Conselho Internacional para o Controle da Deficiência de Iodo.
 

 

Fonte: Lusa
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.