Cancro: selénio pode ajudar sistema imunológico

Estudo publicado no “Journal of Biological Chemistry”

27 novembro 2014
  |  Partilhar:

O selénio, um composto naturalmente presente no alho e nos brócolos, pode abrandar a resposta excessiva do sistema imunológico provocada por alguns tipos de cancro, como o melanoma, o cancro da próstata e alguns tipos de leucemia, dá conta um estudo publicado no “Journal of Biological Chemistry”.
 

O sistema imunológico tem como função remover substâncias que não estão habitualmente presentes no organismo. As células que estão a sofrer alterações, células precursoras das cancerígenas, são habitualmente reconhecidas e removidas pelo sistema imune. Contudo, algumas células cancerígenas têm um mecanismo que bloqueia a capacidade de o sistema imune as reconhecer, o que leva ao desenvolvimento do cancro.
 

Este mecanismo envolve a expressão de quantidades elevadas de moléculas imunoestimuladoras, que ativam em excesso o sistema imunológico e causam o seu colapso.
 

Neste estudo, os investigadores da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, decidiram investigar uma forma de bloquear este tipo de moléculas imunoestimuladoras, tendo-se focado num tipo de ligando específico, o NGK2D.

 

Apesar de existirem oito variantes deste ligando, os investigadores concentraram-se apenas num deles, uma vez que este é capaz de assumir a forma liíquida. De acordo com os investigadores, é precisamente a dissolução molecular que causa problemas graves quando o cancro aparece. A corrente sanguínea fica como que “infetada” e a molécula é utilizada como marcador de doença grave.
 

Estas moléculas podem ser encontradas na superfície das células cancerígenas e também dissolvidas no sangue dos indivíduos afetados. Os investigadores, liderados por Søren Skov, verificaram que os compostos de selénio eram capazes de bloquear as duas formas (a solúvel e a presente na superfície das células) da variante do NGK2D em causa.
 

“A expressão excessiva destas moléculas observada em cancros, como melanoma, cancro da próstata e certos tipos de leucemia, prejudica gravemente o sistema imunitário. Se conseguirmos encontrar formas de retardar o excesso de estimulação, estamos no caminho certo. Os novos resultados são mais um pequeno passo dado no sentido de encontrar fármacos mais eficazes e com menos efeitos adversos ", conclui o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.