Cancro do rim: identificada enzima que abranda crescimento tumoral

Estudo publicado na revista “Nature”

23 julho 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos identificaram uma enzima, a FB1, que está envolvida no abrandamento do crescimento tumoral no tipo mais comum de cancro do rim, dá conta um estudo publicado na revista “Nature”.
 

O carcinoma de células renais do tipo células claras é cancro do rim mais frequente, sendo caracterizado por níveis elevados de glicogénio e depósitos de gordura nas células do rim afetado. Na última década, este tipo de cancro tem aumentado em todo o mundo. Contudo, se os tumores forem removidos precocemente, o paciente tem um tempo de sobrevivência de cerca de cinco anos.
 

Apesar de já haver algum conhecimento sobre o papel das vias metabólicas envolvidas neste tipo de cancro, ainda há questões importantes que permanecem por esclarecer. Foi neste contexto que os investigadores da Universidade de Pensilvânia, nos EUA, decidiram analisar, em 600 amostras tumorais, uma das enzimas envolvidas na regulação do metabolismo, a FB1.
 

O estudo apurou que a FB1 estava presente no citoplasma das células saudáveis. Este é um achado expectável uma vez que este é o local onde a proteína deveria estra ativa de modo a controlar metabolismo da glucose. Contudo, foi verificado que a FB1 estava também presente no núcleo das células saudáveis, onde se ligava a um fator de transcrição para modelar o seu efeito no crescimento tumoral.
 

No entanto, foi verificado que esta enzima estava ausente em todas as amostras de tumores analisadas. Na ausência desta enzima, os investigadores observaram o chamado efeito Warbur, um fenómeno na qual as células tumorais malignas e de rápido crescimento entram em descontrolo, produzindo energia a uma velocidade 200 vezes maior que as células saudáveis. Assim, a presença da enzima parece ser necessária para que o crescimento desregrado seja estreitamente vigiado.
 

Esta dupla função da FBP1 difere de outros supressores tumorais que não são consistentemente inibidos em todos os tumores. De acordo com os investigadores, este achado poderá ser importante para outros tipos de cancro. “Uma vez que a atividade da FB1 também é perdida no cancro do fígado, a depleção da FB1 pode ser algo generalizado em vários tipos de cancro”, revelou, em comunicado de imprensa, a líder do estudo, Celeste Simon.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.