Cancro do colo do útero: eficácia de tratamento comprovada

Estudo iniciado em Coimbra

08 outubro 2013
  |  Partilhar:

Investigadores búlgaros demonstraram a eficácia de um tratamento à base de um cogumelo no combate ao cancro do colo do útero, confirmando os resultados de um estudo iniciado em Coimbra.
 

O ginecologista José Silva Couto, que trabalha atualmente no setor privado, afirmou à agência Lusa que o tratamento com um extrato natural do cogumelo ‘Coriolus Versicolor’ teve também “grande eficácia” em pacientes búlgaras.
 

Em Portugal, o médico realizou a investigação em coautoria com o seu colega Daniel Pereira da Silva, então diretor do Serviço de Ginecologia do IPO de Coimbra.
Em 2008, o médico revelou à agência Lusa que tinha realizado um estudo com 43 mulheres acompanhadas naquele hospital, às quais foi administrado o tratamento durante um período de um ano.
 

O estudo prosseguiu depois na Bulgária, sob orientação de Todor Chernev, professor do Hospital Universitário de Obstetrícia e Ginecologia de Sofia.
 

Nesse país, ao longo de dois anos, os investigadores efetuaram o mesmo tratamento, num projeto de investigação que envolveu cerca de 200 doentes.
 

“Foi um trabalho de confirmação da linha de investigação iniciada em Coimbra”, salientou José Silva Couto, indicando que o estudo deverá prosseguir, no futuro, noutros países europeus.
 

Há cinco anos, em declarações à agência Lusa, o médico divulgou o impacto terapêutico de um comprimido à base do ‘Coriolus Versicolor’ no combate ao cancro do colo do útero, realçando que o seu “efeito imunomodulador” era conhecido em várias culturas antigas da Ásia.
 

“A biomassa do ‘Coriolus Versicolor’ é um imunomodulador não específico e, como tal, usada como coadjuvante nutritivo para equilíbrio do sistema imunitário em pacientes submetidos a quimioterapia e radioterapia”, refere o especialista.
 

As 43 mulheres estudadas no IPO de Coimbra apresentavam lesões cervicais, provocadas pelo ‘Vírus do Papiloma Humano (HPV da sigla em inglês) e confirmadas através de citologia, colposcopia e biopsia. Ficou demonstrado que o extrato do cogumelo teve “grande eficácia, quer na regressão da displasia (lesão de baixo grau), quer no desaparecimento do HPV de alto risco".

 

O estudo conclui que aquele suplemento alimentar, além do “impacto positivo” na regressão das lesões de baixo grau, pode ajudar também as doentes sujeitas a tratamento por lesões de alto grau, quando “o HPV de alto risco persiste após a cirurgia”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.