Cancro da próstata: adesivos transdérmicos mostram-se promissores

Estudo publicado na revista “Lancet Oncology”

06 março 2013
  |  Partilhar:

A administração de estrogénio através de adesivos transdérmicos pode ser uma forma segura e fácil de tratar o cancro da próstata, sugere um estudo publicado no “Lancet Oncology”.

 

Em muitos casos, a testosterona pode acelerar o desenvolvimento do cancro da próstata. Assim, os tratamentos que têm opor alvo a redução desta hormona podem abrandar o crescimento deste tipo de tumores e até diminuir o seu tamanho.
 

Os tratamentos atuais baseiam-se na administração intravenosa (iv) de fármacos de LHRHa que têm como objetivo diminuir os níveis de testosterona produzidos pelos testículos. Contudo, este tipo de tratamento conduz a efeitos secundários graves, incluindo osteoporose, fraturas ósseas e diabetes. Alternativamente, a produção de testosterona pode ser bloqueada através da toma de comprimidos de estrogénio, contudo este tratamento conduz à formação de coágulos sanguíneos e acidente vascular cerebral.
 

Neste estudo os investigadores do Imperial College London e do Medical Research Councill, em Londres,  compararam o tratamento iv com os adesivos transdérmicos em 254 homens com cancro da próstata circunscrito ou que já se tinha disseminado.
 

Os investigadores, liderados por Ruth Langley, constataram que a utilização dos adesivos transdérmicos bloqueava a produção da testosterona de uma forma tão eficaz quanto o tratamento iv. De realçar que os adesivos não causaram os problemas de coagulação observados com a toma de comprimidos de estrogénio, nem apresentaram os mesmos efeitos secundários associados à administração iv de LHRHa.
 

O estudo também apurou que, 12 meses após o início do tratamento, os homens tratados com LHRHa iv apresentavam níveis de glucose e colesterol mais elevados que os submetidos ao tratamento com os adesivos transdérmicos.
 

Na opinião de Ruth Langley, a razão pela qual os comprimidos de estrogénio conduzem ao aparecimento dos efeitos secundários pode ser devido ao facto de a sua toma oral atingir o fígado em elevadas concentrações. Com a administração intradérmica este efeito é evitado.
 

A diretora clínica do Cancer Research, no Reino Unido, conclui que graças aos avanços obtidos na investigação e tratamentos, há cada vez mais homens a sobreviver ao cancro da próstata, mas “é necessário encontrar urgentemente mais tratamentos eficazes e reduzir os seus efeitos secundários. Este estudo é assim o primeiro passo para o desenvolvimento de melhores tratamentos que poderão beneficiar, no futuro, os homens com cancro da próstata”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 1 Comentar

Texto

Excelente texto! Conciso, objectivo eficaz.

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.