Cancro: cura está mais perto?

Estudo apresentado na reunião da Sociedade Americana para o Avanço da Ciência

19 fevereiro 2016
  |  Partilhar:

A cura do cancro pode passar pela utilização de um tipo de células do sistema imunitário, os linfócitos T, refere um estudo apresentado recentemente na reunião da Sociedade Americana para o Avanço da Ciência.


Os linfócitos T são um tipo de leucócitos ou glóbulos brancos que detetam células estranhas ou anormais, incluindo as células cancerígenas, e iniciam um processo que tem por alvo os agentes invasores. Contudo, mesmo quando desencadeada, a resposta imunitária a um tumor não é muitas vezes suficientemente potente e persistente para eliminar as células cancerígenas. Na verdade, os linfócitos T ficam esgotados ou os tumores conseguem evitá-los impondo uma regulamentação que pode limitar a eficácia do ataque dos linfócitos T presentes no paciente.


A transferência adotiva de células T é um processo imunitário experimental em que as células imunitárias são manipuladas para reconhecer e atacar as células cancerígenas do paciente. Os linfócitos T são extraídos do sangue e é utilizada a transferência genética para introduzir recetores altamente potentes que têm por alvo as células cancerígenas. Em menos de duas semanas, as novas células são infundidas no paciente, onde detetam o tumor e destroem as células cancerígenas.


Num ensaio clínico preliminar os investigadores da Universidade de Munique, na Alemanha, do Instituto Científico San Raffaele, em Itália, e da Universidade de Washington, nos EUA, utilizaram linfócitos T modificados com recetores quiméricos de antígeno (CARS, sigla em inglês), tendo verificado uma regressão sustentada de muitos casos resistentes e recidivos de leucemia linfoblástica aguda, linfoma não-Hodgkin e leucemia linfocítica crónica.


Os CARS são recetores sintéticos que são colocados nos linfócitos T para redirecioná-los para que sejam capazes de reconhecer as células cancerígenas. A introdução deste tipo de recetores, em subpopulações especializadas de linfócitos T, proporciona assim uma resposta imune potente e duradoura contra os tumores.


O líder do estudo, Stanley Riddell, referiu ao longo do encontro da Associação Americana para Avanços da Ciência, que estes resultados são extraordinários e que nunca se tinha obtido na medicina taxas de respostas a esta escala em pacientes com um estadio tão avançado da doença.


Uma outra autora do estudo Chiara Bonini revelou nunca ter observado este tipo de taxas de remissão. “Isto é realmente uma revolução. Os linfócitos T são um fármaco vivo, e, em particular, têm o potencial de persistir no corpo ao longo de toda a vida”, conclui.


ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.