Cancro colo-retal: extrato de semente de uva é um tratamento eficaz

Estudo publicado na revista “Cancer Letters”

23 janeiro 2013
  |  Partilhar:

O extrato de semente de uva é eficaz na prevenção do crescimento das células do cancro colo-retal, dá conta um estudo publicado na revista “Cancer Letters”.
 

“Já algum tempo que tínhamos conhecimento que os compostos bioativos encontrados no extrato de semente de uva atacavam seletivamente vários tipos de células cancerígenas. Este estudo mostra que muitas das mutações envolvidas no processo de metastização das células do cancro colo-retal são especialmente sensíveis ao tratamento com extrato de semente de uva”, referiu, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Molly Derry.
 

Neste estudo os investigadores da CU Cancer Center, nos EUA, utilizaram linhas celulares cancerígenas, o que lhes permitiu analisar os vários estadios da doença. O estudo apurou que enquanto são necessárias doses mais elevadas de fármacos quimioterápicos para eliminar as células cancerígenas que se encontram no estadio IV, comparativamente às que estão no estadio II, no que respeita ao tratamento com extrato de semente de uva, verificou-se exatamente o contrário.
 

Os investigadores constataram que era necessário menos de metade da concentração de extrato de semente de uva para impedir o crescimento celular e eliminar 50% das células no estadio IV, do que para atingir os mesmos resultados nas células que se encontravam no estadio II.
 

Na opinião dos autores do estudo, a capacidade do extrato de semente de uva em eliminar as células do cancro colo-retal está relacionada com a produção de stress oxidativo que, por sua vez, conduz à apoptose ou seja à morte celular. Foi verificado que na presença de antioxidantes, a indução da morte celular pelo extrato de uva foi revertida.
 

Os investigadores referem que estes resultados são particularmente importantes, uma vez que a taxa deste tipo de cancro está a aumentar, o que em parte é o resultado da adoção de estilos de vida sedentários e dietas com elevado teor de gordura.
 

O estudo refere ainda que são poucas as pessoas que são submetidas ao rastreio deste tipo de cancro, o que significa que mais de 60% delas são diagnosticadas numa fase já avançada da doença.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.