Cancro: ativação incorreta de genes ajuda a prever agressividade

Estudo publicado na “Science Translational Medicine”

29 maio 2013
  |  Partilhar:

Investigadores franceses descobriram uma nova forma de combater o cancro e prever a agressividade  dos tumores, dá conta um estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”.
 

Os investigadores do Institut Albert Bonniot de Grenoble, CNRS, Inserm e da Universidade Joseph Fourier, em França, explicam que todas as células do organismo têm os mesmos genes. No entanto, nem todos eles estão ativos, pois depende da especialização de cada tecido. Alguns genes estão ativos enquanto outros estão reprimidos. Nas células cancerígenas, os mecanismos de ativação e silenciamento dos genes está danificado. Os investigadores explicam assim que, em todos os cancros existe um tipo de "crise de identidade", nas células cancerosas. Nos órgãos ou tecidos em que o tumor se desenvolve, há genes que podem ser erradamente ativados, nomeadamente genes que são específicos de outros tecidos ou de outras fases de desenvolvimento do organismo.
 

Até à data, a comunidade científica apenas tinha estudado parcialmente este aspeto da expressão dos genes. Neste estudo, os investigadores focaram-se nos genes que estão ativados, tendo sido demonstrado que na maioria dos cancros há dezenas de genes específicos, nas células germinais e na placenta, que estão incorretamente ativados. "Isso representa uma fonte muito interessante de potenciais biomarcadores para caracterização de tumores”, revelaram em comunicado de imprensa os investigadores.
 

Para o estudo, os investigadores, liderados por Sophie Rousseaux, analisaram os tumores de cerca de 300 pessoas, tendo recolhido informação sobre os registros dos pacientes ao longo de um período de dez anos, e dos tumores que se tinham conservado após as intervenções cirúrgicas. A expressão dos genes destes tumores foi analisada.
 

O estudo apurou que 26 genes estavam incorretamente ativados nas células tumorais do cancro de pulmão e que estes estavam associados a cancros mais agressivos. Quando estes genes são expressos, o cancro tende a ser muito agressivo. Tendo por base esta informação, os investigadores foram capazes de prever quais os cancros que são mais propensos a causar a morte ou recorrência, mesmo na fase de diagnóstico ou ainda quando o tumor é tratado adequadamente.
 

De acordo com os investigadores, este estudo fornece dados ”para uma nova abordagem de estudo e tratamento do cancro: a incorreta expressão, em tecidos ou órgãos, de genes específicos de outros tecidos pode tornar-se numa nova ferramenta para o estabelecimento de um prognóstico e personalização dos cuidados terapêuticos ".
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.