Canábis pode aumentar risco de psicose

Estudo publicado na revista “The Lancet Psychiatry”

20 fevereiro 2015
  |  Partilhar:

Um estudo realizado no Reino Unido e que teve a participação do investigador e médico português Tiago Reis Marques constatou que o consumo de doses diárias e muito fortes de canábis aumenta cinco vezes o risco de psicose.
 

O estudo publicado na revista “The Lancet Psychiatry” e realizado pelo Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociências do King's College de Londres, constatou também que um em cada quatro novos casos de psicose são causados pelo consumo diário de canábis de "alta potência".
 

"A canábis é uma droga, é uma substância que tem um efeito pernicioso. A mensagem de que faz mal tem de passar", disse à agência Lusa Tiago Reis Marques, acrescentando que "o que está a chegar à rua é uma planta muito mais forte".
 

Os investigadores, liderados pelo psiquiatra escocês Robin Murray, analisaram uma amostra de mais de 400 doentes de várias idades, do sul de Londres, que acorreram entre 2005 e 2012 pela primeira vez ao instituto com sintomas de psicose e com historial de consumo de canábis. Os resultados obtidos foram comparados com um grupo de controlo de 370 pessoas saudáveis.
 

O estudo revelou que o risco de psicose nos doentes psicóticos aumentava proporcionalmente à frequência do consumo e à potência da droga ingerida, chegando a ser cinco vezes superior num dos grupos de pacientes, de 103 elementos – que fumavam diariamente canábis muito forte, com alto teor de tetrahidrocanabinol.
 

Tiago Reis Marques referiu que, apesar de a investigação ter sido realizada na população de Londres, as conclusões "seriam as mesmas" se fosse feita noutra cidade, ou noutro país.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.