Calvície: descoberto potencial tratamento

Estudo publicado na revista “PLoS ONE”

18 fevereiro 2011
  |  Partilhar:

Ao estudarem como o stress afecta a função intestinal, investigadores americanos podem ter descoberto, por acidente, um composto químico capaz de estimular o crescimento piloso, através do bloqueio de uma hormona do stress associada à queda de cabelo, revela um estudo publicado na revista “PLoS ONE”.

 

Para o estudo, os investigadores do Salk Institute for Biological Studies e do Oregon Health and Sciences University, nos EUA, utilizaram ratinhos geneticamente modificados que sobreproduziam uma hormona do stress, conhecida por factor libertador da corticotrofina (CRF). Os investigadores verificaram que à medida que os animais envelheciam perdiam pêlos, ficando visualmente diferentes do grupo dos ratinhos controlo.

 

Após terem desenvolvido um composto químico, um peptídeo chamado “astressin-B”, com capacidade para bloquear a acção do CRF, os investigadores injectaram-no nos ratinhos que tinham perdido pêlo, uma vez por dia, durante cinco dias, para observar como é que o bloqueio da acção do CRF afectava a função gastrointestinal. Foi também medido o efeito inibidor deste tratamento na resposta induzida pelo stress no cólon dos ratinhos, os quais foram colocados de volta nas gaiolas juntamente com os outros ratinhos controlo.

 

Cerca de três meses depois, quando os investigadores decidiram prosseguir com os estudos verificaram que não conseguiam distinguir os ratinhos controlo, dos ratinhos geneticamente modificados pois o pêlo destes tinham voltado a crescer.

 

"Quando analisámos o número de identificação dos ratinhos aos quais tinha crescido pêlo descobrimos que, de facto, o peptídeo astressin-B foi responsável pelo notável crescimento do pêlo nos ratinhos geneticamente modificados", afirmou um dos autores do estudo, Million Mulugeta. "Os estudos subsequentes confirmaram este achado de forma inequívoca."

 

Por enquanto, este efeito foi apenas testado em ratinhos, faltando ainda avaliar o seu efeito nos humanos. Contudo, os investigadores também trataram os ratinhos com minoxidil, verificando que este tratamento, tal como nos humanos, produziu um aumento no crescimento piloso. O que sugere que o “astressin-B” pode ser utilizado no tratamento da calvície em humanos.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.