Café pode diminuir risco de esclerose múltipla

Estudo publicado no “Journal of Neurology Neurosurgery & Psychiatry”

08 março 2016
  |  Partilhar:

O consumo de elevadas quantidades de café pode diminuir o risco de desenvolver esclerose múltipla, sugere um estudo publicado no “Journal of Neurology Neurosurgery & Psychiatry”.
 

Na opinião dos autores do estudo esta associação pode ser explicada devido às propriedades neuroprotetoras e à capacidade de o café produzir químicos envolvidos na resposta inflamatória.
 

Estudos anteriores já tinham associado o elevado consumo de café a taxas mais baixas de doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e diabetes tipo 2. Em modelos animais da doença de Alzheimer foi verificado que a cafeína pode ajudar a proteger contra a fuga da barreira sangue-cérebro.
 

Esta investigação teve por base dois estudos populacionais. Um dos estudos realizou-se na Suécia pelos investigadores do Instituto Karolinska, na Suécia, tendo contado com a participação de 1.620 adultos com esclerose múltipla e 2.788 indivíduos saudáveis. O segundo estudo, da Universidade de Johns Hopkins, nos EUA, incluiu 1.159 pacientes com esclerose múltipla e 1.172 adultos saudáveis.
 

No estudo sueco, os participantes foram convidados a quantificar as chávenas de café que bebiam diariamente, em diferentes idades, desde os 15 a 19 anos aos 40 ou mais anos. Por outro lado, os voluntários do estudo americano foram questionados relativamente ao consumo diário máximo. Àqueles que disserem beber uma ou mais chávenas foi-lhes pedido para recordar com que idade começaram a consumir café regularmente.
 

Posteriormente os investigadores estimaram o consumo de café antes e após os sintomas de esclerose múltipla se terem iniciado. Estes resultados foram comparados com os obtidos nos indivíduos saudáveis.
 

Os investigadores constataram que, o risco de esclerose múltipla foi consistentemente mais elevado naqueles que bebiam poucas chávenas de café por dia nos dois estudos. Estes resultados mantiveram-se inalterados mesmo após os investigadores terem tido em conta outros fatores, como hábitos tabágicos e peso durante a adolescência.
 

No estudo sueco, o consumo de café foi associado a uma redução do risco de esclerose múltipla, tanto no início dos sintomas como cinco a 10 anos após. Verificou-se que houve uma redução de 28 a 30% do risco para aqueles que bebiam mais de seis chávenas de café por dia.
 

Relativamente ao estudo americano verificou-se que havia uma redução de 26 a 31% do risco de esclerose múltipla entre os indivíduos que bebiam 948 ml de café por dia, pelo menos cinco anos antes de os sintomas terem início e no início dos sintomas, comparativamente com aqueles que nunca bebiam café.

 

Os resultados sugerem que quanto maior a quantidade de café ingerida, menor é o risco de esclerose múltipla. Contudo, os investigadores alertam para o facto de este ser um estudo observacional, não havendo por isso uma causa/efeito.
 

“Apesar de ainda ficar por esclarecer se o café pode de facto diminuir o desenvolvimento da esclerose múltipla, esta análise apoia os dados crescentes no que diz respeito aos efeitos benéficos do café na saúde”, concluíram os investigadores.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.

<